terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Uberlândia e a mobilidade urbana

20/12/2012 - Correio de Uberlândia, José Roberto Camacho

A população de Uberlândia em 1970 era de 126.112 habitantes; até 1980, ela praticamente dobrou de tamanho passando a uma população 83,64% maior, já em 2012 esta população é estimada em 619.536 habitantes. Ou seja, a cidade cresceu 4,91 vezes em 42 anos. Isso significa que, mantendo o mesmo ritmo de crescimento, irá aproximadamente mais do que dobrar (117%) de tamanho a cada dez anos.

É claro que, a partir de certo tamanho, a cidade não deve crescer na mesma proporção. Imaginemos que ela não cresça na mesma proporção e apenas dobre de tamanho em mais dez anos, sua população será de aproximadamente 1,2 milhões de habitantes. Senhor gestor, estaria a Prefeitura Municipal traçando planos de longo prazo, para além das duas próximas administrações? Estaria o planejamento urbano da cidade preparando-se para os problemas de mobilidade que teremos com aproximadamente 600 mil veículos nas ruas de Uberlândia? Estaria o planejamento municipal preparado para modificar e adaptar à nova realidade o sistema de transporte de massa em nossa cidade?

É preciso que se instalem nas esferas federal, estadual e municipal as equipes de planejamento que irão pensar o país, o Estado e o município para daqui a dez anos em termos de mobilidade. Precisamos deixar de ser imediatistas e além de pensar no jacaré que está mordendo nossos calcanhares devemos pensar também em como enfrentar o dragão do crescimento acelerado que faz mais que dobrar a população a cada dez anos. É certo que esse crescimento poderá perder força, mas qual é a certeza que temos disso?

Uberlândia precisa com muita urgência das pesquisas sobre mobilidade urbana, detectar como e de que forma as pessoas se locomovem na cidade é de suma importância. O estimulo ao surgimento de centros comerciais e de serviços nas mais diversas regiões da cidade é muito importante para descongestionar o centro antigo da cidade, além de contribuir para o movimento das pessoas fique uniforme e não se concentre em uma única parte da cidade. Este efeito de polo único de atração em uma cidade faz com que aquela região fique congestionada e seja um obstáculo à movimentação de pessoas.

A hora de planejar os próximos dez anos é agora. Tem um dito popular que afirma que, no Brasil, longo prazo é um ano. É preciso mudar a cultura de deixar para a última hora, precisamos fazer planos com bastante antecedência para que nossos projetos fiquem bem amadurecidos pela opinião de especialistas e das pessoas que vão utilizar o sistema de transporte. Além de fundamentá-lo no sistema como ele é hoje e projetá-lo para enfrentar o crescimento futuro da cidade. A cidade de Uberlândia teve respeitáveis saltos no número de habitantes, a pequena cidade do interior em 1970 se transformou numa cidade que exige cada vez mais dos recursos públicos.

Estaremos preparados para locomover as pessoas com dignidade nesta cidade que terá 1,2 milhão de habitantes por volta de 2022? Recursos públicos estão sendo destinados ao estudo de sistemas de transporte inovadores? Será a população uberlandense capaz de se locomover melhor daqui a dez anos? Todas estas perguntas devem ser respondidas com muita pesquisa direcionada para as práticas de ir e vir das pessoas em nossa cidade. Estas respostas exigem soluções inovadoras. Estamos preparados para isso?

A cidade do Triângulo Mineiro é um dos aglomerados urbanos de médio porte que mais cresce no Brasil. É a quarta maior cidade do interior do país

domingo, 23 de dezembro de 2012

Em Uberaba, Empresas apresentam ônibus do sistema BRT de transporte coletivo

22/12/2012 - JM Online

Ônibus que vão operar no sistema BRT nas linhas Leste-Oeste foram apresentados ontem pelas empresas concessionárias do transporte coletivo urbano ao prefeito Anderson Adauto. Apesar da aparência semelhante aos veículos que já circulam na cidade, as portas de acesso são mais altas, niveladas à altura dos terminais. Por outro lado, as obras para construção dos terminais não ficarão prontas nesta administração.


Foram entregues esta semana 14 veículos para as duas empresas do transporte que atuam na cidade. Os ônibus são chamados de metrorizados, por terem rampas na altura das estações de embarque, cujas portas são controladas e só abrem com sinal de sensor e controle de câmera. O prefeito Anderson Adauto destacou que esse modelo de ônibus, nos mesmos padrões do metrô, facilita a vida dos passageiros oferecendo mais conforto.

Mais Notícias de Uberaba
Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

"Um ônibus parecido com um vagão de metrô, não tem escada, no intuito de trazer facilidades e conforto para o passageiro. São viagens curtas, em que a cada dois minutos e meio tem ônibus passando por qualquer subestação ao longo da av. Leopoldino, fazendo o traçado do terminal Leste e Oeste", explica Anderson, ressaltando que o veículo diferenciado não exige uma massa asfáltica especializada, portanto, não serão necessárias mudanças nesse sentido.

Vale ressaltar que com o novo sistema terão apenas 14 ônibus circulando pela Leopoldino, além dos automóveis particulares. O que irá proporcionar fluidez ao trânsito. "E ainda, nos sistema que idealizamos, quando o ônibus passa, os semáforos são abertos, ou seja o sistema de trânsito é comandado pelo transporte coletivo", explica Anderson, enfatizando que os ônibus dos bairros não passarão mais pelo centro.

Quanto às obras para construção dos terminais, Anderson explicou que o atraso foi por conta da chuva, mudanças no projeto e demandas judiciais dos terrenos. Mas garante que os recursos estão sendo deixados em caixa para a conclusão do terminal Oeste (R$4 milhões), próximo ao estádio Uberabão, e o terminal Leste (R$ 4,2 milhões), no bairro Manoel Mendes, está acertado com a Petrobras e a Vale.

Informações: JM Online

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Uberaba tem projetos de mobilidade urbana selecionados pelo Ministério das Cidades

03/12/2012 - JM Online

A apresentação foi feita ao secretário nacional de Transporte e Mobilidade Urbana, Júlio Eduardo Santos

O secretário de Planejamento, Karim Abud Mauad, o subsecretário Realino Augusto de Oliveira e o diretor de Transportes Coletivos, Claudinei Nunes, fizeram a apresentação dos projetos Eixo/Corredor Sudoeste e Eixo/Corredor Sudeste em reunião do PAC 2 – Programa de Aceleração do Crescimento – Mobilidade Urbana, no Ministério das Cidades, em Brasília, na última sexta-feira (dia 30).

A apresentação foi feita ao secretário nacional de Transporte e Mobilidade Urbana, Júlio Eduardo Santos. Karim declarou que os dois projetos foram selecionados e pré-aprovados, pois atingiram as diretrizes do Plano Diretor de Uberaba, para transporte coletivo e mobilidade urbana. Também atenderam aos objetivos do programa do governo federal, via Ministério das Cidades. O resultado oficial deve ser divulgado em dezembro.

Comunicado sobre o acatamento dos projetos pelo Ministério das Cidades, o prefeito Anderson Adauto disse que a cidade terá nos próximos anos um dos mais modernos sistemas de mobilidade urbana. "Fizemos várias ações para a melhoria do transporte coletivo, como o monitoramento e integração da tarifa. A implantação dos eixos Leste-Oeste, Sudoeste e Sudeste vão complementar o programa e beneficiar o trabalhador que usa o transporte de passageiros", destacou AA.

O Corredor Sudoeste vai complementar o Sistema BRT do Eixo Leste-Oeste ao longo dos 5,2 km de extensão, junto a Avenida Leopoldino de Oliveira. O investimento é R$ 22.802.483,00, incluindo a contrapartida do município da ordem de R$ 1.140.483,00. O projeto prevê a construção de um terminal no Jardim Copacabana e 11 estações.

O Corredor Sudeste, orçado em R$18.458.733,00, com contrapartida da Prefeitura de R$ 2 milhões, terá 3,7 km de extensão, O projeto prevê um terminal para o bairro Abadia e 9 estações, interligando-se também ao Sistema Leste-Oeste. O investimento global supera os R$ 41 milhões.

Fonte: JM Online



Enviado via iPhone

domingo, 2 de dezembro de 2012

Controle de ônibus por GPS e bilhetagem eletrônica chegam a mais 400 coletivos de seis cidades

02/12/2012 - André Sales

O novo Sistema de Gestão Inteligente de Transporte, que monitora o funcionamento dos ônibus à distância e melhora o fluxo da frota, será implantado nas cidades de Belo Horizonte e Poços de Caldas (MG), Olinda e Petrolina (PE) e Jaboticabal (SP). Por meio do GPS, é possível acompanhar, em tempo real, a localização de cada ônibus, casos em que este deixa sua rota, cumprimento dos horários, paradas efetuadas e quilometragem ociosa.


O Sistema de Gestão Inteligente de Transporte evita ainda a formação de comboios (filas de ônibus da mesma linha em decorrência de problemas no trânsito). Pelo monitor da Central de Operações, é possível visualizar a posição de todos os carros da linha, o tempo de chegada na próxima parada e o intervalo atualizado entre os ônibus.

Desenvolvido pela empresa Transdata Smart, o sistema permite ainda monitorar à distância (por telemetria e tecnologia 3G) todas as solicitações de paradas, consumo de combustível, chave de ignição ligada, acionamento de botão de pânico, uso do câmbio em ponto morto e a faixa RPM, que indica se a rotação do motor está dentro ou fora do ideal. Com todos esses controles, é possível melhorar o fluxo da frota, acompanhar os indicadores de segurança e reduzir gastos com consumo de combustível e manutenção da frota.

Em Belo Horizonte, o sistema será implantado em 162 ônibus da Viação Pássaro Verde; em Poços de Caldas, serão 128 carros da Auto Omnibus Circulare; em Olinda, 27 veículos da Rodotour Turismo; e em Petrolina, 45 carros da Viva Petrolina Transportes.


Em Santa Izabel do Pará, a Transdata irá implantar, em 16 ônibus da Viação Santa Isabel, o sistema TDMAX de bilhetagem eletrônica, que aumenta a agilidade nos embarques e proporciona segurança por reduzir a circulação de dinheiro nos veículos. Essa tecnologia também já foi implantada pela Transdata nas cidades de Olinda, Petrolina, Poços de Caldas e Jaboticabal, que recebem agora os novos sistemas de gestão de frota.

Neste ano, a Transdata já fechou contratos para implantar suas soluções de automação nos ônibus de 28 cidades de diversos estados. A Transdata Smart é pioneira no Brasil em sistema de bilhetagem eletrônica e outras soluções de automação em transporte de passageiros. Sediada em Campinas (SP), atua há 19 anos em mais de 100 cidades no Brasil, Argentina e Colômbia.

Fonte: André Sales




Enviado via iPhone

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Sistema BRT de Uberaba será idêntico ao de Curitiba

26/11/2012 - Jornal de Uberaba

A implantação dos terminais de ônibus na avenida Leopoldino de Oliveira está a todo vapor para que o sistema Leste/Oeste de Transporte Coletivo seja entregue à população

Estrutura do BRT sendo implantada
créditos: Divulgação

Na manhã de ontem, o superintendente de Planejamento de Trânsito e Transporte da Secretaria de Planejamento (Seplan), Robinson do Amaral Camargo, contou que a equipe instalou mais uma estação na avenida principal, que servirá como corredor de ônibus, desta vez, próximo à rua João Quintino Júnior. "Essa é a sétima estação das doze que serão instaladas na avenida Leopoldino", ressaltou.

Robinson revelou que, até a próxima semana, chegarão mais uma ou duas estações e que a estimativa é de que o restante chegue a Uberaba até o dia 30 de novembro. "Acredito que iremos conseguir entregar o sistema Leste/Oeste dentro do prazo estipulado pelo prefeito, porque todas as estações estarão chegando até o final desse mês. Sem contar que o trabalho de montar as estações é rápido, tendo em vista que a equipe tem condições de instalar uma por dia", explicou.

O superintendente disse que já está programada a vinda de uma equipe de Curitiba para montar a parte funcional das instalações neste final de semana. "Essa equipe ficará, em média, 15 dias montando vidros, borrachas, dentre outros itens funcionais, como catraca e porta-eletrônica. Já o ar-condicionado e equipamentos mais caros serão instalados somente próximo à entrega do sistema, porque zelamos pelo patrimônio público e precisamos instalar primeiro as câmeras de seguranças no local", acrescentou.

Ônibus

A respeito do novo modelo de ônibus que será utilizado no transporte coletivo de Uberaba, BRT – Bus Rapid Transit (Trânsito, Rápido de Ônibus), o superintendente garantiu que as empresas já adquiriram o montante necessário para dar início ao sistema Leste/Oeste. "Os veículos estão na montadora e o compromisso é entregar 14 ônibus, sendo 13 na primeira quinzena de dezembro e um no final do ano. Vale ressaltar que o sistema funcionará com 12 ônibus, pois dois deles ficarão de reserva para eventuais problemas na implantação", finalizou.



Enviado via iPhone

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Desenvolvido pela UFMG, aparelho ajuda cegos a pegar ônibus

13/11/2012 - Jornal da Alterosa

Funciona assim: o usuário cadastra as linhas no aparelho e quando o ônibus se aproxima é emitido um sinal de aviso

Regiane Moreira - TV Alterosa

Aparelho vai melhorar as condições de vida dos deficientes
créditos: Reprodução TV Alterosa

Um projeto da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) pode ajudar deficientes visuais a pegarem ônibus em Belo Horizonte. O sistema foi criado há quase 10 anos, mas só agora está para ser implantado.

Se andar pelas calçadas irregulares e desviar dos obstáculos das ruas, imagina então as dificuldades que eles enfrentam para pegar ônibus. "o ônibus passa e você não sabe qual está vindo", relatou um deficiente. " Você tem que ficar pedindo para as pessoas. Elas vão embora e não nem avisam", reclama outro.

O aparelho, que promete melhorar as condições de vida dos deficientes visuais, permite que o usuário cadastre as linhas de ônibus que ele usa. Ao chegar no ponto de ônibus, a pessoa liga o aparelho, seleciona a linha desejada. O transmissor emite um sinal que alcança 100 metros de distância. Tanto o usuário, como o motorista são avisados.


Enviado via iPhone

sábado, 10 de novembro de 2012

Em BH, Complexo Vilarinho recebe obras para integrar sistema BRT

09/11/2012 - Prefeitura de Belo Horizonte

Ampliando as intervenções da implantação do BRT Antônio Carlos, a Prefeitura realiza obras no Complexo Viário Vilarinho. Desde setembro de 2011, a região que engloba as interseção das avenidas Pedro I e Vilarinho passa por reestruturação viária para receber o Corredor de Transporte Rápido por Ônibus (sistema BRT).


As obras da Vilarinho, executadas em dois lotes, contemplam, no lote 1, a construção de dois viadutos, um na avenida Pedro I sobre a avenida Vilarinho – extensão da pista de BRT da Pedro I, outro próximo à Estação BHBus Vilarinho, integrando os lados norte e sul, além do alargamento do viaduto localizado na avenida Pedro I sobre a avenida Vilarinho (sentido bairro), para tráfego misto. O projeto propõe, ainda, a implantação de duas trincheiras, uma sob a rodovia MG010, para acesso dos ônibus do BRT à Estação Vilarinho, e outra sob a avenida Pedro I, interligando a pista de BRT deste corredor à da avenida Vilarinho. Serão instaladas, também, duas passarelas de estrutura metálica, na alça do trevo da Vilarinho e no viaduto da avenida Pedro I sobre a avenida Vilarinho (sentido centro).

No lote 2 são executados serviços de drenagem, terraplenagem, pavimentação em concreto, dentre outros, preparando a avenida Vilarinho para implantação de quatro estações do BRT, de embarque e desembarque de passageiros.

Das intervenções traçadas no projeto do lote 1, estão em andamento as obras de alargamento e construção do viaduto na Pedro I sobre a Vilarinho, trincheira sob a rodovia MG010 e no viaduto Estação Norte-Sul. A passarela sobre a alça da Vilarinho foi concluída em setembro. O início das obras na trincheira sob a avenida Pedro I depende de desapropriações de imóveis, com negociações iniciadas neste mês e previsão de término em janeiro do próximo ano. Após a conclusão das obras no viaduto da Pedro I, sentido centro, será feita a instalação da segunda passarela. As obras contempladas no lote 2 estão em fase de finalização, e, posteriormente, será iniciada a montagem das estações do BRT.

As obras estão orçadas em R$45 milhões (lote 1) e R$3,4 milhões (lote 2). A previsão de término das intervenções no Complexo Vilarinho é outubro 2013.


Enviado via iPhone

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

BHTrans anuncia que vai exigir ônibus confortáveis para o Sistema BRT

01/11/2012 - Estado de Minas

Caso coloquem em xeque o conforto dos passageiros e a agilidade do serviço, dois dos preceitos básicos do transporte rápido por ônibus (o BRT, na sigla em inglês), os novos ônibus padron de motor dianteiro – um dos três tipos de coletivos do futuro sistema – podem ser barrados pela BHTrans antes de chegar às ruas. Embora sustente que a posição do motor não interfere na operação daquela que é a principal aposta de mobilidade da capital mineira para os próximos anos, a empresa que gerencia o trânsito em BH informa que a aprovação do modelo de ônibus, ainda em desenvolvimento, depende da fase de homologação.

Reportagem publicada pelo Estado de Minas na semana passada revelou que fabricantes estão projetando, a pedido dos consórcios que operam o sistema de transporte da capital, variações dos atuais coletivos que circulam em BH equipadas com itens como câmbio automático e suspensão a ar, para se adequar às exigências do BRT. A compra dos ônibus, que custam menos e têm consumo menor em relação aos veículos de motor traseiro, além de ter maior facilidade de revenda, será discutida pela Ordem dos Advogados do Brasil, seção Minas Gerais (OAB-MG).

Afirmando que o ruído e o desconforto gerados pela motorização frontal foram superados ao longo dos anos graças a novas tecnologias, como o gerenciamento eletrônico de motor (adotado em meados de 2004), a BHTrans argumenta agora que para se mostrarem eficientes, os veículos terão de passar por testes de capacidade de transporte, funcionamento do ar-condicionado e potência. A homologação é o último item previsto no Decreto Municipal 15.019, documento de 53 páginas que esmiuça como devem ser os veículos do sistema, mas não especifica quais tipos de chassis devem ser adotados.

"Vamos fazer uma ficha para avaliar em diferentes situações se esses veículos serão mesmo capazes de operar dentro do conceito BRT. A homologação é um recurso para avaliar o carro antes de ele entrar no sistema, para que tenhamos certeza de que todas as exigências foram cumpridas", afirmou o diretor de Planejamento da BHTrans, Célio Freitas, exemplificando uma situação em que o modelo em análise terá de transpor as ladeiras da avenida Antônio Carlos, um dos três corredores do sistema, sem apresentar falhas de potência do motor. Juntamente com o diretor de Desenvolvimento e Implantação de Projetos da BHTrans, Daniel Marx, ele demonstra certa preocupação com a viabilidade econômica do projeto. O tipo de veículo usado, ressaltou, tem impacto direto no custo da tarifa.

Cerca de 200 ônibus padron deverão operar linhas troncais de percurso misto, trafegando entre as pistas exclusivas para coletivos e vias que não receberão o BRT. Outros 200 articulados farão parte do sistema, que manterá os atuais coletivos como ônibus básicos em linhas alimentadoras – existe a possibilidade de que até micro-ônibus sejam adotados nesse serviço, conforme a demanda. "O consumo do coletivo de motor traseiro é 10% maior", alega Marx.

Cara nova

Célio Freitas sustenta que a agilidade é a maior preocupação do usuário, seguida da confiabilidade, segurança e o conforto. O desperdício de tempo gerado pelo embarque e as paradas dos atuais coletivos em semáforos, acrescentou, será eliminado na operação do BRT em pistas exclusivas. "Estamos preparando uma série de novidades para a operação do novo sistema. Além de ter um nome específico, o BRT de BH prevê nova pintura para os ônibus e um sistema de dados integrado que informará o tempo exato que o passageiro terá de aguardar para pegar o próximo coletivo."

Assim que as obras forem concluídas serão iniciados os testes operacionais. A primeira fase compreende o conhecimento do veículo pelos motoristas, que terão de avaliar o coletivo operando-o sem passageiros. A partir daí, o sistema será apresentado a diferentes segmentos da população e entrará na fase de pré-operação, rodando em linhas e dias específicos. "A implantação do BRT no Rio de Janeiro revelou um grande receio dos idosos ao embarcar. Apresentando o conceito à população antes, ela irá se habituar", diz o o representante da BHTrans.

A previsão do diretor de Planejamento é de que o desenvolvimento do projeto do BRT comece a ser aplicado na Avenida Amazonas, outra importante via da capital, ainda no primeiro semestre de 2013. A meta final da empresa é alcançar 200 quilômetros de linhas até 2023, tendo como aliados o metrô e o BRT metropolitano, que compartilhará as estações de transferência. Objetivo ousado que depende também da aprovação do principal envolvido: o passageiro.


PROJETOS PARA AMPLIAR O METRÔ
A Empresa Pública de Trem Metropolitano de Belo Horizonte (Metrominas), vinculada à Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas, abriu ontem licitações para elaborar os estudos e projetos de engenharia das linhas 1, 2 e 3 do metrô da capital. Segundo o presidente da Metrominas, Fabrício Sampaio, os projetos são necessários para estabelecer com maior precisão – com ajuda dos serviços de sondagem que estão em andamento – o valor das obras de expansão do serviço. O custo do projeto básico para as linhas 1 e 2 está estimado em R$ 18,5 milhões e, para a Linha 3, em cerca de R$ 14,6 milhões, sendo o prazo estimado para ambos de 12 meses. Para a Linha 1, atualmente em operação, estão previstas reforma de estações, aquisição de trens e extensão de aproximadamente 1,7 quilômetro até a futura Estação Novo Eldorado. A Linha 2 ligará o Barreiro ao Bairro Calafate, com sete estações previstas. Totalmente subterrânea, a Linha 3 ligará a região da Savassi à Lagoinha, com cinco estações previstas.


Enviado via iPhone

domingo, 28 de outubro de 2012

Ônibus novo com jeito antigo vai circular

28/10/2012 - Estado de Minas

Coletivos semelhantes aos tradicionais, de motor dianteiro, já usados nas ruas da capital, vão circular, ao lado dos ônibus articulados, nos corredores do transporte rápido por ônibus (BRT, na sigla em inglês) – principal aposta de mobilidade urbana para Belo Horizonte nos próximos anos. De carona numa brecha do Decreto Municipal 15.019, documento de 53 páginas que detalha as especificações dos ônibus do sistema, fabricantes revelaram, em feira de transporte no Rio de Janeiro, a intenção de adequar os modelos básicos com equipamentos de acessibilidade e conforto, para se adequarem às exigências da BHTrans.

Tecnicamente inferiores em relação aos equivalentes de motor traseiro, que custam e consomem mais, os novos ônibus devem ser produzidos até o fim do ano. A expectativa da Mercedes-Benz, principal fornecedor dos consórcios de ônibus de BH, é de que eles sejam entregues às encarroçadoras até março. Serão necessários 90 dias para receber as carrocerias e rodar.

"Estamos fechando a venda de 1,2 mil ônibus num pacote direcionado ao Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (SetraBH) e ao Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram). Entre as exigências dos empresários está a aplicação de suspensão a ar, eixo 6x2, ar-condicionado e câmbio automático para uso no BRT", revelou o diretor de Vendas e Marketing de Ônibus da Mercedes-Benz, Gilson Mansur. Volvo e Iveco também confirmaram o desenvolvimento de produtos semelhantes.

Entre as exigências da BHTrans para os padrons, um dos três tipos básicos de ônibus para o BRT, estão carroceria com comprimento de 13,2m e 15m com piso alto. Como todos os ônibus de motor dianteiro oferecidos no mercado têm até 12 metros e suspensão por feixe de molas, as fábricas desenvolvem novas versões dos busões com suspensão a ar, capazes de alinhar a altura da carroceria com o acesso às estações do BRT, e terceiro eixo, o que possibilitaria coletivos ainda mais espichados, para garantir uma fatia de mercado entre os padrons do


BRT. BHTrans aceita
O aproveitamento desse tipo de veículo, conhecido nas garagens por "cabrita", devido ao maior ruído de funcionamento do motor, que fica dentro da cabine, e o comportamento da suspensão, é permitido por uma brecha nas normas da BHTrans, que não aponta quais tipos de chassi devem ser usados no BRT.

A não especificação de chassi é justificada com o argumento de que a posição do motor não afeta a operação. "No caso do BRT, a posição do motor independe, porque a porta de acesso fica do lado esquerdo. A questão do motor dianteiro realmente atrapalha um pouquinho o embarque das pessoas na frente, mas no geral, não é necessário para um sistema BRT entrar nesse detalhe", argumenta o diretor de Planejamento da BHTrans, Célio Freitas.

Segundo ele, se os fabricantes conseguirem adaptar os chassis de motor dianteiro ao sistema, não haverá problema. "Anos atrás tínhamos uma resistência muito grande a ônibus de motor dianteiro. Hoje, a indústria está mostrando que não é mais assim. O motor dianteiro de hoje não é mais um mero chassi de caminhão transformado em ônibus", aponta. Freitas argumenta ainda que a maior preocupação do usuário não é com o tipo de ônibus, mas com a agilidade. "A maior questão é a velocidade da viagem. O passageiro quer andar rápido", acrescenta o diretor da BHTrans.

Retrocesso

O pensamento da BHTrans é contestado pelo professor e coordenador-geral do Núcleo de Transporte da Escola de Engenharia da UFMG, Ronaldo Guimarães Gouvêa. Ele ressalta que o termo padron faz referência a um modelo de solução para o transporte. Desenvolvido pela extinta Empresa Brasileira de Transportes Urbanos (EBTU) no fim dos anos 1970, esse tipo de veículo trouxe como grande evolução a aplicação de motor na parte de trás como forma de reduzir o ruído e o aquecimento interno dos veículos. "Até então a maioria dos coletivos era montada sob chassis de caminhões. Não sei o que está sendo aperfeiçoado nos atuais chassis de motor dianteiro, mas é um retrocesso não manter os ganhos da idéia inicial", afirma o professor.

Para ele, a escolha desse tipo de coletivo deixa de levar o conforto em consideração para priorizar a viabilidade econômica do BRT. "Enquanto essa lógica não mudar, o transporte continuará sendo parametrizado pelo custo, a tarifa, e continuará sendo de má qualidade", alerta. O Setra-BH alega que ainda não fechou a compra de nenhum pacote de ônibus novos.

A diretora de Marketing do Sintram, Valéria Reis Couto, confirma a negociação de 1,2 mil ônibus. Segundo ela, as empresas estão solicitando os ônibus para trazer mais conforto ao usuário e convencer donos de automóveis e a usar os coletivos. "Os fabricantes estão fazendo os ajustes nos ônibus de acordo com a solicitação dos sindicatos. Estamos priorizando o máximo de conforto ao passageiro, por meio de ônibus diferenciados que atraiam os proprietários de carros com itens como ar-condicionado e suspensão mais leve", disse. É uma nova realidade que o passageiro vai pagar para ver.
Fonte: Estado de Minas



Enviado via iPhone

sábado, 27 de outubro de 2012

BHTrans interdita trecho da Rua Espírito Santo para obras do BRT

22/10/2012 - G1

Operação passa a valer a partir desta terça-feira (23). Obras devem durar até o dia 16 de novembro, de acordo com BHTrans.

A Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) informou que o trecho do lado esquerdo da rua Espírito Santo, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, vai ser parcialmente interditado, a partir desta terça-feira (23). A operação vai ser feita no cruzamento com a Avenida Santos Dumont, para realização das obras do BRT. Segundo a empresa, a previsão é de que o trecho permaneça interditado até o dia 16 de novembro.
De acordo com a BHTrans, como vai ser preservado o tráfego de veículos em meia pista, não vai ser implantado nenhum desvio. A orientação é para que os motoristas que utilizam a via em direção a Avenida do Contorno usem o percurso da rua dos Tupinambás, Avenida dos Andradas e Avenida do Contorno.
As linhas de transporte coletivo 2212A, 2212B, 3501A, 3501B, 3502 e 3503A vão ter seus itinerários alterados e modificação no ponto de embarque e desembarque, que passam a ser na Avenida dos Andradas, entre Rua dos Caetés e Rua dos Guaicurus, na Praça da Estação.
Para mais informações, acesse o portal da BHTrans .


Enviado via iPhone

sábado, 29 de setembro de 2012

Em Uberaba, Modelo de ônibus coletivo para o BRT é apresentado hoje pela Seplan

25/09/2012 - Jornal da Manhã

Prefeito Anderson Adauto (sem partido) apresenta nesta terça-feira um ônibus cujo modelo é o da frota que atenderá à operação do transporte coletivo no eixo leste/oeste, dentro do projeto de mobilidade urbana. O veículo, aprovado no estudo realizado pela Secretaria de Planejamento, ficará exposto a partir de hoje em frente do prédio da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Uberaba (Aciu).


De acordo com o titular da Seplan, Karim Abud Mauad, os veículos são de alta tecnologia. "São maiores, porém não articulados, mas com capacidade de transportar 100 passageiros", adianta. Além disso, o ônibus pode realizar o embarque e desembarque de passageiros no mesmo nível das subestações, por meio de rampas de acesso. Ainda está equipado com portas eletrônicas, são silenciosos e não poluentes. "Uberaba será a segunda cidade a adotar este modelo no país", adianta o secretário, revelando que a primeira será o Rio de Janeiro.

A princípio, o corredor de transporte coletivo será alimentado com doze destes veículos, com perspectiva de o número ser ampliado para dezesseis. Eles serão adquiridos pelas concessionárias, sendo que o preço pode variar de R$550 mil a R$650 mil.

Meu Transporte em Uberaba

Ainda de acordo com o secretário, a perspectiva é de o primeiro corredor do sistema de transporte BRT - Bus Rapid Transit (Trânsito Rápido de Ônibus) -, na avenida Leopoldino de Oliveira, entrar em operação ainda em dezembro de 2013. "A partir daí o uberabense terá um ônibus a cada três minutos neste eixo do transporte coletivo", finaliza.


Enviado via iPhone

domingo, 16 de setembro de 2012

"Ônibus Vip" começa a circular nesta segunda-feira em Belo Horizonte

16/09/2012 - R7

Quem utiliza o transporte público em Belo Horizonte vai poder contar com mais uma opção a partir de amanhã (17). As linhas de transporte executivo começam a circular na capital mineira, destinada àqueles que estão dispostos a pagar um preço mais salgado em troca de conforto e facilidade. Serão duas linhas: Cidade Administrativa/Savassi (SE01) e Buritis/Savassi (SE02).


Segundo as informações da BHTrans, responsável pelo controle do transporte coletivo na cidade, o serviço está sendo implantado em áreas onde há demanda, segundo pesquisas e estudos. Os ônibus são especiais: além de bancos estofados e com apoio de braço, cada veículo conta ainda com ar condicionado, internet wi-fi, televisão a bordo, janelas maiores, vidros escuros, espaço interno para pequenas bagagens e elevador para cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida.

A capacidade dos coletivos é de 43 pessoas sentadas. O objetivo, aliás, é que praticamente todos fiquem sentados, com uma tolerância de apenas seis passageiros em pé. O transporte executivo não contempla passagens gratuitas como no coletivo comum, exceto para crianças de até cinco anos no colo. Já a integração tarifária fica mantida, com outras linhas de sistema convencional ou metrô.

Meu Transporte em BH

Itinerário

A linha da Cidade Administrativa/Savassi (SE01) terá partidas entre 6h e 18h40, com intervalo de 20 minutos (horário de pico) a 30 minutos (fora de pico). O percurso tem um total superior a 30 km somando os dois sentidos e a tarifa será de R$ 5. Inicialmente, a frota será composta por oito veículos. O ponto de partida é na rua Alagoas, em frente ao número 1.485.

Pontos na área central

Rua São Paulo, 190, entre rua dos Guaicurus e av. Santos Dumont;
Rua São Paulo, 366, entre rua dos Caetés e av. Afonso Pena (SESC - São Paulo);
Av. Afonso Pena, 776, entre av. Amazonas e rua dos Tamoios (Praça Sete – Banco da Lavoura);
Av. Afonso Pena, 1.270, entre rua da Bahia e av. Álvares Cabral (Correios);
Av. João Pinheiro, 140, entre av. Álvares Cabral e rua dos Guajajaras (Praça Afonso Arinos);
Av. João Pinheiro, 450, entre rua dos Aimorés e rua Bernardo Guimarães (Escola Estadual Afonso Pena);
Praça da Liberdade, 150, entre rua Gonçalves Dias e av. Bias Fortes (Circuito Cultural – Praça da Liberdade 1);
Av. Cristóvão Colombo, 629, entre Praça da Liberdade e rua Sergipe (SERVAS),
Av. Cristóvão Colombo, 135, entre av. Getúlio Vargas e rua Fernandes Tourinho (Savassi - Pátio Savassi 1);
Av. do Contorno, 6.200, entre rua Pernambuco e rua Alagoas;
Rua Alagoas, 1.485, entre Avenida do Contorno e Av. Getúlio Vargas (Ponto Final);
Av. Cristóvão Colombo, 480, entre rua Alagoas e rua dos Inconfidentes;
Av. Cristóvão Colombo, 650, entre rua Sergipe e rua Santa Rita Durão;
Praça da Liberdade, 153, entre av. Brasil e rua Gonçalves Dias (Circuito Cultural – Praça da Liberdade 2);
Av. João Pinheiro, 613, entre rua Gonçalves Dias e rua Bernardo Guimarães (Xodó);
Av. João Pinheiro, 195, entre rua dos Timbiras e rua dos Guajajaras (Associação Médica);
Av. Afonso Pena, 965, entre rua da Bahia e rua dos Tamoios (Edifício Sulacap);
Rua Espírito Santo, 485, entre rua dos Carijós e rua dos Tupinambás;
Rua Espírito Santo, 101, entre av. Santos Dumont e rua dos Guaicurus.

Buritis/Savassi

Já a linha Buritis/Savassi (SE 02) terá partidas das 6h às 19h30, com intervalo de 20 a 30 minutos. O itinerário tem uma extensão próxima de 30 km, ambos os sentidos, e a tarifa dessa linha será de R$ 4,00. O ponto de partida é na av. Professor Mário Werneck em frente ao nº 3.015.

Pontos na Área Central

Av. Álvares Cabral, 1.881, entre av. do Contorno e rua Santos Barreto (Ministério Público de Minas Gerais 1);
Rua Prof. Antônio Aleixo, 601, entre rua Santa Catarina e rua Curitiba (Antônio Aleixo c/Santa Catarina);
Rua Prof. Antônio Aleixo, 75, entre rua Espírito Santo e rua da Bahia (Minas 1);
Av. Cristóvão Colombo, 629, entre Praça da Liberdade e rua Sergipe (SERVAS),;
Av. Getúlio Vargas, 1.460, entre av. Cristóvão Colombo e rua Alagoas (Savassi - Galeria Savassi);
Av. Getúlio Vargas, 1.620, entre rua Fernandes Tourinho e rua Sergipe (Hotel Boulevard Plaza);
Av. do Contorno, 6.608, entre rua Levindo Lopes e rua da Bahia (URBEL);
Av. do Contorno, 7.060, entre rua Rio de Janeiro e rua Fernandes Tourinho (Estadual Central );
Av. do Contorno, 7.510, entre rua Santa Catarina e av. Olegário Maciel (Contorno com Santa Catarina);
Av. Álvares Cabral, 1.884, entre rua Matias Cardoso e rua Araguari (Ministério Público de Minas Gerais 2).

Fonte: R7.com

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Cidade de Uberlândia é a única cidade com menos de um milhão de habitantes com BRT

05/09/2012 - Veja

Única cidade com menos de um milhão de habitantes com BRT, a mineira Uberlândia, com pouco mais de 600 mil pessoas, tem um corredor de 7,5 quilômetros na Avenida João Naves de Ávila há seis anos.

Levando o preceito de ser na superfície o que o metrô é abaixo da terra, até mesmo shopping em uma das estações o BRT de Uberlândia tem, o que deve soar familiar para moradores de São Paulo.

Meu Transporte em Uberlândia

A imagem ao lado mostra uma das vantagens do sistema: a acessibilidade. Deficientes físicos adentram o coletivo tão rápido quanto os demais passageiros, já que as estações são elevadas. 

O corredor deu tão certo que o governo já tem mais quatro projetos aguardando verba do governo federal.

Fonte: Veja Abril

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Primeira estrutura da estação do BRT é implantada em Uberaba

23/08/2012 - Jornal de Uberaba, Sandro Neves

A  Prefeitura Municipal de Uberaba (PMU) instalou a primeira estrutura do sistema Bus Rapid Transit (BRT) na avenida Leopoldino de Oliveira

Dando prosseguimento ao projeto “Mobilidade Urbana”, a Prefeitura Municipal de Uberaba (PMU) instalou a primeira estrutura do sistema Bus Rapid Transit (BRT), ou Trânsito Rápido de Ônibus, das estações de passageiros do transporte coletivo no canteiro central da avenida Leopoldino de Oliveira. O terminal foi implantado em frente ao Centro de Atendimento Integral à Saúde da Mulher (CAISM).
 
Conforme o secretário municipal de Planejamento, Karim Abud Mauad, em frente à Unidade de Pronto Atendimento (UPA-III), no bairro do Mirante, já estão sendo feitos ajustes no canteiro central da avenida Leopoldino de Oliveira. “A estação da UPA III, perto do Mirante, já está em obras e, em breve, será ajustada a construção em frente ao Mercado Municipal. Essas reformas têm como objetivo proporcionar mais fluidez ao trânsito”, ressalta.
 
Karim observa que, no projeto de “Mobilidade Urbana”, para transporte coletivo, serão construídos dois terminais e dez estações ao longo da avenida Leopoldino de Oliveira. “Acredito que o sistema Leste/Oeste esteja totalmente concluído até dezembro. A construção da estação em frente aos Correios, no sentido Univerdecidade/bairro de Lourdes, e outra próxima ao Calçadão da rua Arthur Machado, em breve, também estarão em obras”, revela.
 
O secretário conta que as empresas de transporte coletivo deverão adquirir 14 ônibus especiais, que vão abrir as portas pelo lado esquerdo e parar no mesmo nível do piso das estações, permitindo acesso direto, inclusive de cadeirantes.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Usuário já pode consultar horário do ônibus em tempo real na Internet

24/06/2012 - Prefeitura de Uberaba

Já está disponível na Internet o sistema de monitoramento do transporte coletivo urbano que permite ao usuário se informar em tempo real a localização e horário do ônibus que pretende utilizar. O link pode ser acessado pelo site da Prefeitura, na página do transporte coletivo, www.uberaba.mg.gov.br/transportecoletivo. 
De acordo com o diretor de Operação e Fiscalização do Transporte Coletivo, Claudinei Donizette Nunes, que também é idealizador do programa de monitoramento do transporte público, o sistema facilitará a vida do usuário, possibilitando o acesso a informações precisas, desde o posicionamento até o horário que o ônibus passará.
O sistema pela Internet faz parte do programa de monitoramento do transporte público, que inclui a instalação de painéis eletrônicos, indicando o tempo de espera do ônibus desejado.
Um painel já está instalado em frente ao Centro Administrativo Municipal e mais 26 serão instalados em pontos estratégicos da cidade, como Subterminal rodoviário São Benedito (2), Praça Rui Barbosa (2), Avenida Leopoldino de Oliveira (13), Avenida Fidélis Reis (4), Avenida Nenê Sabino em frente à Uniube (1), Avenida Tutunas em frente à Fazu (1), Rua Manuel de Melo Resende em frente à Facthus (1), Avenida Dom Luis Maria de Santana em frente à Prefeitura (2) e na Praça Frei Eugênio (1).

terça-feira, 14 de agosto de 2012

BRT mostra a sua cara em BH

14/08/2012 - Hoje em Dia

A primeira estação de transferência a ser utilizada pelos usuários do sistema BRT (Bus Rapid Transit, na sigla em inglês) em Belo Horizonte já está sendo montada

A previsão é de que a plataforma, um protótipo das outras 39 que serão distribuídas pela cidade, fique pronta ainda este mês. A estação, feita em estrutura metálica, está sendo montada na avenida Cristiano Machado, altura do bairro União, Nordeste da capital.
 
Apesar do aparente avanço na montagem dos complexos, que servirão como ponto de embarque dos passageiros para os ônibus especiais do BRT, grande parte dos belo-horizontinos desconhece o objetivo do novo serviço, que só deve funcionar a partir do final do ano que vem. A previsão é do diretor de Infraestrutura da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), Cláudio Marcos Neto.
 
A gerente de uma loja de embalagens localizada em frente ao local onde está sendo instalada a primeira estação, Maria Aparecida Câmara, por exemplo, já se acostumou com o ritmo frenético das obras na avenida Cristiano Machado, mas, até hoje, não sabe o que é, na prática, o BRT. “Não tenho vergonha de admitir que não sei do que se trata. Assim como eu, a maioria das pessoas, inclusive os meus funcionários, desconhece o sistema. Sei que é uma promessa para agilizar o trânsito na cidade”, pontua.
 
O cobrador de ônibus da linha 8150 (União/Serra) David Jonathan também não tem ideia do que será o sistema de transporte rápido da capital mineira. Mas teme perder o emprego, já que com a implantação do BRT o número de linhas de ônibus comuns será reduzido. “Uma coisa é sabida, os ônibus comuns serão reduzidos. Com essa história, é o emprego do cobrador que fica em jogo”, desabafa.
 
O gerente de Coordenação de Mobilidade Urbana da BHTrans, Rogério Carvalho, argumenta que, sobre a falta de informações à população, uma estratégia com o detalhamento das alterações nas linhas de ônibus e no trânsito já foi criada. Ele não soube dizer, no entanto, quando a população terá acesso às informações.
 
Redução de ônibus
Sobre a redução do número de ônibus comuns em circulação e a possibilidade de diminuição do quadro de pessoal, Cláudio Neto, da Sudecap, é enfático: “Ninguém ficará desempregado. Todos os profissionais que atuam hoje no sistema de transporte público serão reaproveitados”.

sábado, 11 de agosto de 2012

Prefeitura de Uberlândia pleiteia corredores de ônibus pelo PAC Mobilidade

08/08/2012 - Correio de Uberlândia

A Prefeitura de Uberlândia enviou, ontem, para o Ministério das Cidades, projeto no valor estimado de RS 127,5 milhões para a implantação de mais cinco corredores de ônibus na cidade. O Município ingressou na seleção para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Médias Cidades.

Uberlândia está entre as 75 cidades de médio porte, com população entre 250 mil e 700 mil habitantes, pré-selecionadas para apresentar projetos de transporte público neste programa, lançado mês passado pela presidente Dilma Rousseff. Os municípios têm prazo até dia 31 de agosto para enviar os projetos de mobilidade urbana.
A lista de cidades selecionadas será divulgada no dia 14 de dezembro. A contratação das obras está programada para o início de 2013. São R$ 7 bilhões previstos para serem liberados pelo governo federal, em forma de financiamento, para a aquisição de equipamentos que modernizem e integrem o transporte público, como estações e terminais de ônibus.
Prevista para ser concluída em dois anos, a proposta uberlandense inclui cinco novos corredores do Sistema Integrado de Transporte (SIT) para os setores sul, oeste, sudoeste, leste e norte, partindo do Terminal Central.
Atualmente, há dois corredores exclusivos de ônibus implantados em Uberlândia ao longo das avenidas João Naves de Ávila e Monsenhor Eduardo, além de cinco terminais – Central, Umuarama, Planalto, Industrial e Santa Luzia – e 13 estações fechadas, todas na avenida João Naves de Ávila.
Proposta prevê 4 novos terminais

Enviado ontem pela Prefeitura de Uberlândia ao Ministério das Cidades para aderir ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Médias Cidades também prevê a construção de quatro terminais de embarque e desembarque. Eles ficariam no corredor sul (no setor universitário), oeste (no bairro Jardim Patrícia), sudoeste (na região dos Jardins, próxima ao bairro Nova Uberlândia) e Novo Mundo, nas imediações do bairro Morumbi, na zona leste.
Há também previsão de construção de mais 63 estações fechadas nos cinco corredores, incluindo duas na praça Tubal Vilela e uma na praça Clarimundo Carneiro, ambas no setor central. As intervenções urbanas contidas no projeto também contemplam a construção de dois novos viadutos: na rua Paraná, no bairro Brasil, e na rua México, no bairro Martins, além da duplicação da ponte do Praia Clube, no bairro Tabajaras, na zona sul. “Vamos deixar encaminhado para o próximo prefeito”, afirmou o prefeito de Uberlândia, Odelmo Leão.
Cidade aguarda liberação de financiamento há dois anos

A Prefeitura de Uberlândia aguarda há cerca de dois anos a liberação de um financiamento de R$ 101 milhões que seria proveniente do programa Pró-Transporte do Ministério das Cidades para investir em melhorias no transporte público urbano. A proposta contida neste primeiro projeto, que aguarda liberação de recursos desde 2010, é semelhante à que foi enviada ontem pelo Município para participar da seleção do PAC Mobilidade Médias Cidades.
“Não queremos perder o trabalho que já foi feito, mas também estamos ingressando um projeto para o PAC 2”, afirmou o prefeito Odelmo Leão.
Segundo o chefe do Executivo, as obras que já foram iniciadas pela prefeitura para ampliar os corredores, como os viadutos da avenida João Naves, já concluído, e da Nicomedes Alves dos Santos, com previsão para ser entregue neste mês, entrariam como contrapartida do município, caso o projeto por meio do PAC seja aprovado.
De acordo com o edital do PAC Mobilidade Médias Cidades, a seleção do Ministério das Cidades vai priorizar projetos de integração de transporte público que já estão em curso em cidades de médio porte.
Corredores estruturais projetados

Sul
Avenida Nicomedes Alves dos Santos

9 estações e terminal Universitário
Sudoeste
Avenida Getúlio Vargas

7 estações e terminal Jardins
Oeste
Avenidas José Fonseca e Silva e Marcos Freitas Costas

18 estações e terminal Jardim Patrícia
Leste
Avenida Segismundo Pereira

12 estações e terminal Novo Mundo (no bairro Morumbi)
Norte
Avenida Cleanto Vieira Gonçalves

14 estações – ligação com o Terminal Industrial (já existente)
3 Estações de embarque e desembarque nas praças Tubal Vilela (2) e na Clarimundo Carneiro.
 

sábado, 4 de agosto de 2012

Em Belo Horizonte, Motoristas são multados por invadir corredores de ônibus

03/08/2012 - O Tempo

Sete motoristas são multados por hora nas pistas exclusivas para ônibus de Belo Horizonte. A média é feita com base nos números do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran) de janeiro a maio, que revelam um aumento nas autuações depois que radares fixos foram instalados na capital. Nos cinco primeiros meses deste ano foram 26.241 multas. No mesmo período de 2011, 108. O crescimento é de 24.000%.

A Nossa Senhora do Carmo é a única via com radar para faixa exclusiva na cidade e a principal responsável pelas autuações. Ela tem quatro equipamentos, dois em cada sentido. Eles foram instalados em junho do ano passado, em um trecho de 900 m, e fizeram as multas por transitar nas faixas exclusivas saltarem do 94º para o 5° lugar no ranking de infrações do Detran. Elas perdem apenas para as autuações por excesso de velocidade, avanço de sinal vermelho, uso de celular e estacionamento rotativo irregular.

O analista de rede Christiano Grieco, 40, foi multado porque não sabia dos aparelhos nem da existência da pista exclusiva, tampouco reparou nas placas. "Era um domingo e quase não havia ônibus. A sorte foi que meu pai avisou no primeiro radar, porque eu podia ter levado duas multas. É uma ótima fonte de dinheiro para o governo em que a gente não vê retorno nenhum", reclamou.

A assessoria da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) não indicou um representante para falar sobre o assunto, mas informou que o objetivo é dar maior fluidez ao trânsito e priorizar os usuários do transporte público.

Mas especialistas em trânsito questionam o caráter educativo da multa, já que os radares foram instalados há um ano e as pessoas continuam sendo autuadas exaustivamente. "Se os radares estão multando tanto ainda, tem alguma coisa errada nisso. O conceito da multa é educar, mas não está funcionando. É apenas uma ótima fonte de arrecadação para o governo", afirmou o perito de segurança de trânsito Marco Paiva.

Para o também especialista em transito José Aparecido Ribeiro, a pista exclusiva está em um local inadequado. "Ali existe um afunilamento da avenida, que acaba confundindo os motoristas. Quem é multado ali é porque não conhece a região. Os ônibus deveriam transitar nas pistas laterais e não nas centrais. É uma fábrica de dinheiro", disse.

A auxiliar administrativa Taciane Leone, 25, foi multada enquanto seguia um amigo em outro veículo e só percebeu a infração quando recebeu a multa. "A gente sai da trincheira da rua Rio Grande do Norte, cai na avenida e nem percebe que está em uma pista exclusiva".


Fonte: O Tempo Online

BH iniciou todas as obras de mobilidade previstas para a Copa

30/07/2012 - Diego Salgado

Cidade terá cinco intervenções viárias e três linhas de BRTs, com investimento de R$ 1,389 bilhão

Trabalhos no viaduto que faz parte da obra Corredor Pedro II (crédito: Antônio Rodrigues)

Belo Horizonte tem oito obras de mobilidade urbana previstas na Matriz de Responsabilidades da Copa. Desde abril deste ano, quando foram iniciadas os trabalhos para a construção do BRT Área Central, todas as intervenções listadas no documento entraram em andamento.

Até a Copa das Confederações, em junho de 2013, a capital mineira terá cinco obras viárias concluídas, com uma central de monitoramento e um corredor exclusivo de ônibus, informa a prefeitura, por meio do Comitê da Copa em Belo Horizonte. Além disso, a cidade passará a contar com três linhas de BRTs. No total, o investimento será de R$ 1,389 bilhão, com R$ 1,023 bilhão do PAC e R$ 365,5 milhões da prefeitura.

Os BRTs, segundo o Comitê da Copa, estarão concluídos até maio de 2013, mas só vão operar em "pleno funcionamento", com todos os ônibus e estações, na Copa do Mundo. A obra do BRT Antônio Carlos, linha que ligará o aeroporto de Confins à região hoteleira e ao centro, com estação próxima do Mineirão, foi iniciada em junho de 2010. Até o momento, R$ 83 milhões de um total de R$ 634 milhões já foram investidos na construção. O trecho da avenida Abraão Caran já está inaugurado.

No BRT Cristiano Machado, o investimento chegou a R$ 11 milhões. No total, a linha, cuja construção começou em setembro de 2011, custará R$ 52,6 milhões. O sistemas serão interligados pelo BRT Área Central, em obras há três meses e orçado em R$ 58 milhões - os gastos chegaram a R$ 1 milhão. A estimativa da prefeitura é que que mais de 750 mil passageiros sejam beneficiados com os sistemas da Antônio Carlos e da Cristiano Machado. O tempo de viagem deve diminur 57%, e a quantidade de ônibus na cidade caia quase 40%.

Em abril deste ano, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) suspendeu os processos licitatórios das estações São Gabriel (Cristiano Machado) e Pampulha (Antônio Carlos). Os processos, porém, foram retomados. O primeiro já foi concluído e o segundo está em andamento. De acordo com a prefeitura, em nenhum momento as obras dos BRTs foram interrompidas.

Obras viárias
Duas obras viárias da cidade foram iniciadas em 2012: o corredor Pedro II e a Via 710. Os investimentos serão de R$ 27,9 milhões e R$ 174,9 milhões, respectivamente. O primeiro projeto da prefeitura para as avenidas Pedro II e Carlos Luz era implantar mais uma linha de BRT. No entanto, os custos elevados com desapropriações - cerca de R$ 153 milhões - fizeram mudar os planos.

Agora, as vias ganharão corredores convencionais, que terão a participação da BHTrans, empresa mista responsável pelo trânsito da cidade. A primeira etapa das obras está sendo feita no Viaduto B, no Complexo da Lagoinha, que liga a avenida Pedro II à avenida Olegário Maciel. Já na Via 710, ocorrerá a implantação de um corredor transversal de quatro quilômetros. Ele fará a ligação da região nordeste de Belo Horizonte ao BRT Cristiano Machado.

Outra via de 1,6 km com corredor de ônibus fará parte da cidade a partir de novembro deste ano: a Via 210, que conectará a região do Barreiro ao centro e ao sistema de metrô. Em obras desde agosto de 2011, a intervenção custará R$ 106,2 milhões - R$ 9,4 milhões já foram empregados. Em duas fases, os trabalhos na Boulevard Arrudas/Tereza Cristina começaram em junho de 2010.

A primeira etapa, orçada em R$ 66 milhões, consistiu na readequação da avenida dos Andradas, canalizando o ribeirão Arrudas em seu trecho central. A parte final do projeto prevê a implantação do Boulevard até a avenida Tereza Cristina até janeiro de 2013. O custo será de R$ 155 milhões.

A capital mineira terá ainda um investimento de R$ 31,6 milhões na expansão do controle de tráfego, com modernização dos sistemas atuais. De acordo com a prefeitura, os equipamentos já foram adquiridos e os gastos chegaram a R$ 10,5 milhões. Os trabalhos começaram em setembro de 2010 e devem ser concluídos até março do ano que vem.

domingo, 22 de julho de 2012

Prefeitura de Uberlândia avalia se vai aderir ao PAC Mobilidade

22/07/2012 - Correio de Uberlândia

A Prefeitura de Uberlândia ainda avalia se vai aderir ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Médias Cidades, lançado ontem pelo governo federal. Uberlândia está entre as 75 cidades de médio porte, com população entre 250 mil e 700 mil habitantes, pré-selecionadas para apresentar projetos de transporte público. São R$ 7 bilhões previstos para serem liberados em forma de financiamento para a aquisição de equipamentos que modernizem e integrem o transporte público, como estações e terminais de ônibus. Há também previsão de utilização do recurso para melhoria de infraestrutura já existente.

Por meio de nota oficial, a Prefeitura de Uberlândia informou que “vai avaliar as diretrizes e ver quais programas se enquadram na cidade”. Ainda de acordo com trecho da nota, “a partir daí serão feitos os pleitos necessários para o município”.

O dinheiro do PAC Mobilidade Médias Cidades não poderá ser aplicado na aquisição de novos veículos, pavimentação e recapeamento de asfalto nem na sinalização e abertura de novas vias. As prefeituras precisarão dar contrapartida de, no mínimo, 5%, e os projetos terão que priorizar a população de baixa renda.

A Prefeitura de Uberlândia aguarda há cerca de dois anos a liberação de um financiamento de R$ 101 milhões que seria proveniente de um programa do Ministério das Cidades para investir em melhorias no transporte público urbano. O projeto do município, que já foi aprovado no âmbito do Ministério das Cidades, prevê a construção de mais quatro corredores de ônibus aos moldes do já existente na avenida João Naves de Ávila. Os novos corredores seriam: na zona oeste, ligação com o bairro Luizote de Freitas; na zona leste, ligação com o Morumbi; na zona sul, setor universitário e na zona norte, no Distrito Industrial.

Para a Prefeitura de Uberlândia, o trâmite do financiamento que já foi aprovado não sofrerá alteração com a implantação do PAC Mobilidade Médias Cidades. “Quanto ao projeto dos corredores de ônibus, o mesmo segue no Ministério das Cidades e já está aprovado e aguarda liberação da verba para execução”, menciona trecho da nota oficial.

O Ministério das Cidades não informou, até o fechamento desta edição, se há uma interferência em projetos anteriores que tramitam neste órgão após a implantação do PAC Mobilidade Médias Cidades.
 A reportagem do CORREIO de Uberlândia entrou em contato ontem com o Ministério das Cidades para checar esta situação, mas, ainda não houve uma resposta se o projeto uberlandense para investir em melhorias no transporte público urbano, já aprovado, teria que ser refeito e reenviado para nova análise.

A assessoria do deputado federal Weliton Prado (PT) informou ontem que o parlamentar fez essa consulta ao ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, e que projetos de mobilidade urbana em cidades de médio porte que foram apresentados anteriormente teriam que ser refeitos e reenviados para pleitear os R$ 7 bilhões que estão previstos para serem liberados pelo governo federal no PAC Mobilidade Médias Cidades.

A presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou ontem que as propostas escolhidas dentro do “Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Médias Cidades” serão executadas pelo Regime Diferenciado de Contratação (RDC). O modelo flexibiliza as regras para licitações governamentais, tornando o processo mais ágil. Em junho, o Senado aprovou a extensão do sistema – criado para atender aos projetos ligados à Copa do Mundo de 2014 – às obras do PAC. O texto foi sancionado e publicado no “Diário Oficial da União” ontem.

Cada município ou Estado pode apresentar até dois projetos solicitando recursos do PAC Mobilidade Médias Cidades. A inscrição deverá ser feita em formulário eletrônico, disponível na página do Ministério das Cidades na internet (www.cidades.gov.br/), a partir de segunda-feira (23) até 31 de agosto. A lista de cidades selecionadas será divulgada no dia 14 de dezembro. A contratação das obras e serviços está prevista para o início de 2013.

Os candidatos a prefeito de Uberlândia contam com a inserção do município no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Médias Cidades, lançado ontem pelo governo federal.

“Se a prefeitura (de Uberlândia) não enviar (o projeto), a gente pode enviar depois, porque a cidade já foi pré-selecionada. Temos interesse, não só nos corredores (de ônibus), mas também nos VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos). Achamos fundamental”, afirmou o deputado federal e candidato a prefeito Gilmar Machado (PT).

O deputado estadual e candidato apoiado pelo atual governo municipal, Luiz Humberto Carneiro (PSDB), afirmou que a decisão do envio de novos projetos para financiar obras de mobilidade urbana dentro do PAC Mobilidade Médias Cidades depende da vontade do atual prefeito Odelmo Leão (PP). “Uberlândia já tem um projeto lá (no Ministério das Cidades) e gostaríamos que a cidade fosse contemplada, porque o projeto já foi aprovado desde 2010. Se foi aprovado, mas não foi liberado o recurso, considero que o projeto deveria ser reenviado”, afirmou Luiz Humberto Carneiro.

O candidato Gilberto Cunha (PSTU) não atendeu às ligações da reportagem do CORREIO de Uberlândia ontem à tarde.

Ações a serem feitas por meio do projeto

• Implantação de infraestrutura de transporte público coletivo, inclusive terminais de integração e estações

• Melhoria da infraestrutura de transporte público coletivo existente

• Aquisição de equipamentos visando a integração, controle e modernização dos sistemas

• Elaboração de projetos e estudos associados ao empreendimento proposto

sábado, 21 de julho de 2012

Em BH, Ônibus executivos estão parados nas garagens

18/07/2012 - Estado de Minas

Enquanto o BRT não vêm, uma das principais promessas de agilidade e conforto para usuários de transporte coletivo de Belo Horizonte começa, literalmente, a mofar nas garagens. Idealizados pela BHTrans com o principal objetivo de incentivar motoristas a deixar o carro em casa, e assim desafogar as já congestionadas ruas da capital, os primeiros veículos do novo serviço de ônibus executivo de BH dependem, há mais de sete meses, de um verdadeiro imbróglio para começar a rodar. Pegando carona na proposta de extinção dos cobradores nos ônibus articulados do BRT – o que poderá causar boa parte da redução de 2.967 postos de trabalho (ou 11,41% dos atuais empregos) no futuro sistema – Projeto de Lei 2.244/12 aprovado em segundo turno pela Câmara Municipal, também prevê a dispensa do agente de bordo nos executivos.


Os veículos adquiridos por meio de um pacote encomendado pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de BH (Setra-BH), com direito a pintura cinza levemente alterada e criada por escritório especializado em design, foram entregues aos consórcios operadores em dezembro – conforme mostrou o EM com exclusividade – , mas desde então encontram-se parados. Pelo menos uma das 14 unidades foi sublocada na função de transporte fretado.

Dotados de equipamentos que garantem mais conforto aos passageiros, como ar-condicionado central, poltronas totalmente estofadas, bagageiro interno e internet sem fio, os ônibus do tipo micrão, de desempenho mais ágil, vão rodar inicialmente em duas linhas: Buritis/Savassi e Cidade Administrativa/Savassi. Para estrear, eles agora dependem da fase de redação do PL, que só continuará após retorno do recesso do Legislativo, a partir de 1º de agosto, e da aprovação do prefeito Marcio Lacerda.

A tarifa não é revelada pela BHTrans, que alega estar aguardando a tramitação do PL para comentar o assunto, mas, de acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de BH e Região (STTRBH), Ronaldo Batista, será de cerca de R$ 5. Defendendo a manutenção do posto do trocador nos executivos, o sindicalista afirma que o PL entra em contradição com a Lei 8.224 de 2001, que garante a presença dos agentes de bordo nos coletivos.

Deficitárias
Segundo Batista, a demanda nas duas linhas seria uma das justificativas dos consórcios para deixar a função de cobrança sob responsabilidade dos motoristas. “Eles alegam que as linhas são deficitárias. É importante ressaltar que a prefeitura está fazendo muito lobby em cima do serviço, mas ele só vai atender à Zona Sul. Na periferia, os trabalhadores continuarão a ser servidos por linhas precárias, ônibus superlotados e sem cumprimento de horários”. “Além de vir com motor dianteiro, barulhento, esses ônibus têm poltronas apertadas. Ou seja: de executivo, eles não têm nada”, critica ainda Batista.

Procurado, o Setra-BH declarou que os consórcios estão aguardando as especificações da BHTrans para iniciar a operação dos ônibus.

Não será a primeira vez que BH contará com ônibus executivos. Na década de 1970 e início dos anos 1980, existiam os chamados “fresquinhos”.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Prefeitura começa a instalar estações do BRT na segunda-feira

12/07/2012 - JM Online

Começam a chegar a Uberaba as primeiras estruturas para implantação do sistema BRT - Bus Rapid Transit – que significa trânsito rápido de ônibus. Segundo informações do secretário municipal de Planejamento, Karim Abud Maud, a primeira estação chegou no último fim de semana, e outras devem ser entregues até amanhã. A previsão é de que comecem a ser montadas a partir de segunda-feira.

No projeto de Mobilidade Urbana para transporte coletivo serão construídos dois terminais e dez estações ao longo da avenida Leopoldino de Oliveira. “Acredito que haverá tempo suficiente para implantação das estações. Temos um plano A, que seria a construção da estação em frente ao Mercado Municipal e outra próximo a UPA III, perto do Mirante. Iríamos fazer o sistema funcionar neste local, buscando dar mais fluidez ao trânsito. Mas como as obras do Água Viva estão bastante adiantadas, e já terminaram onde será a estação 1, próximo ao Uberabão, começaremos por lá. Na verdade, já realizamos algumas mudanças no canteiro central da região”, explica Karim, ressaltando que será instalada também a estação 2 em frente ao Shopping Generoso Lenza.

Por outro lado, o secretário acredita que não será possível concluir a construção da estação em frente aos Correios, no sentido Univerdecidade/bairro de Lourdes e outra próximo ao Calçadão da Rua Arthur Machado em agosto. Nestes locais serão instalados dois módulos, por isso, segundo Karim, pode demandar um pouco mais de tempo. “Tenho certeza que será um projeto que a população vai gostar, pois vai retirar a quantidade excessiva de ônibus no centro da cidade”, explica Karim, lembrando que os dois terminais também deverão ser construídos este ano.

Karim Abud prevê que o sistema Leste Oeste esteja totalmente concluído até dezembro, quando termina o governo do atual prefeito. Para isto, novas modificações no trânsito do centro da cidade serão implementadas, entre elas o fim do estacionamento em praticamente toda extensão da avenida Leopoldino de Oliveira. O secretário explica que atualmente em cerca de 70% da via, o estacionamento já não é permitido.

As empresas de transporte coletivo deverão adquirir 14 ônibus especiais, que vão abrir as portas pelo lado esquerdo e parar no mesmo nível do piso das estações, permitindo acesso direto, inclusive de cadeirantes.

sábado, 16 de junho de 2012

BHTrans avalia tipo de ônibus BRT que vão circular na capital mineira

13/06/2012 - G1

Órgão avaliou dimensões dos veículos para serem adequados à cidade. Dispositivos como GPS, telas de LCD e câmeras também foram analisados.

Foto: Divulgação
A Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) fez, nesta quarta-feira (13), na sede do órgão, no bairro Buritis, na Região Oeste da capital, análises de especificações técnicas para o Sistema Rápido por Ônibus (BRT), sigla em inglês, que será implantado na cidade. Três modelos de ônibus foram apresentados aos técnicos.

Os veículos são articulados e têm quase dez metros a mais, de comprimento, que os coletivos convencionais. Foram desenvolvidos por empresas interessadas em participar do processo de licitação.

Segundo as especificações da BHTrans, os ônibus precisam ter capacidade para transportar até 145 passageiros. O sistema deve começar a funcionar, em 2013, quando, segundo a BHTrans, parte da obra já estará concluída.

De acordo com a assessoria de imprensa, foram avaliadas as dimensões dos veículos para serem adequados à realidade da cidade, como a verificação da segurança para os coletivos fazerem curvas e ultrapassagens, por exemplo. Riscos de acidentes também foram verificados.

Dispositivos como a instalação de GPS, telas de LCD e câmeras de circuito interno também foram analisados. A partir destes estudos, haverá a definição do modelo mais apropriado para circular em BH.

A capital terá 200 ônibus articulados que vão circular nas avenidas Pedro I e Antônio Carlos, na Avenida Cristiano Machado e área central.

Estes corredores de tráfego contarão com 41 estações de transferência para embarque e desembarque dos usuários, sendo 25 estações ao longo das avenidas Antônio Carlos/Pedro I e Vilarinho, dez na Avenida Cristiano Machado e seis nas avenidas Paraná e Santos Dumont.

Fonte: G1

Em Belo Horizonte, BRT terá "versão light" na Avenida Pedro II

09/06/2012 - Estado de Minas

Sem perspectiva de expansão das linhas de metrô a curto ou médio prazo e com um trânsito em que o volume de veículos já é equivalente ao de São Paulo, com 4,3 automóveis para cada mil metros quadrados de área urbana, Belo Horizonte tenta apelar para soluções “light” para um problema que de leve não tem nada. Uma delas já está nos planos oficiais, e surge como uma espécie de compensação para o fato de o município não ter conseguido viabilizar a implantação do transporte rápido por ônibus (BRT, na sigla em inglês) na Avenida Pedro II. Um dos dois grandes corredores de acesso ao Mineirão – o outro é o complexo das avenidas Antônio Carlos/Pedro I –, a Pedro II deve ganhar um modelo simplificado do BRT, sem corredores exclusivos de coletivos ou obras de peso. A outra solução ainda será apresentada ao poder público e também consiste em uma “versão dietética” de um grande meio de transporte de massa: o chamado metrô leve em monotrilho é a sugestão da Sociedade Mineira de Engenheiros para lidar com o transporte público na capital.

Na Avenida Pedro II, corredor que liga o Complexo da Lagoinha, no Centro de BH, ao Anel Rodoviário, na Região Noroeste, o BRT light – definição usada pelo presidente da BHTrans, Ramon Victor Cesar – será uma versão mais simples que os modelos das avenidas Cristiano Machado e Antônio Carlos/Pedro I, já em implantação. Em comum, o sistema Pedro II tem operação do transporte público pela esquerda – no canteiro central da via –, embarque no mesmo nível do ônibus e passagem pré-paga em estações. A diferença fundamental é a ausência de pista exclusiva para ultrapassagem. Ou seja, para passar um ônibus que estiver parado em uma das nove estações o coletivo que vier atrás precisará entrar em uma das faixas reservadas ao trânsito misto, mais à direita da avenida. A expectativa é de que as obras comecem no início de 2013, podendo se estender até 2014, ano da Copa.

Com o novo modelo de transporte coletivo, a estimativa da BHTrans é de que o tempo de viagem no corredor Pedro II tenha redução de 45%. “Operamos hoje com uma média de velocidade de 11km/h. Em alguns pontos chega a 18km/h, mas em outros não passa de 6km/h. O BRT vai permitir aumento para uma média de 20km/h”, explica o diretor de Desenvolvimento e Implementação da BHTrans, Daniel Marx Couto. Segundo ele, o BRT da Pedro II terá ligação com a estação de integração São José, que será construída na interseção da avenida com o Anel Rodoviário. “A estação é fundamental para início da operação do sistema na Pedro II”, disse.

O terminal deve receber 22 linhas alimentadoras, que vão trazer os passageiros dos bairros. Eles vão embarcar em linhas troncais que seguem pela Pedro II em direção a outras partes da cidade. Atualmente, 22 linhas municipais passam pelo corredor, número que será reduzido para as cinco troncais. Entre as rotas estudadas estão os destinos Centro, via BRT Área Central; Centro, via Avenida Afonso Pena; Região Hospitalar; Avenida José Cândido da Silveira; e Região da Pampulha, todas partindo da Estação São José. Além das troncais, outros coletivos que passam pela Avenida Presidente Carlos Luz e seguem pela Pedro II – a exemplo da 3503 (Santa Terezinha/São Gabriel) – permanecem no corredor. Rotas alternativas, passando pelos pelo interior dos bairros, serão estudadas.

“Toda a frota será readequada. As linhas troncais terão ônibus articulados, com 18,6 metros e capacidade para 180 passageiros. Também serão usados ônibus menores, de 13 metros, capazes de levar 90 pessoas”, explica Couto. Os ônibus convencionais, atualmente em circulação, não terão ponto na avenida . “Podem até passar por ela em pequenos trechos, mas não vão parar”, informou.

Outro impacto para o corredor por onde passam 68 mil veículos diariamente será a racionalização da frota e consequente diminuição da emissão de poluentes. “No pico entre as 6h e as 7h, 171 ônibus passam pela Pedro II, fora as linhas metropolitanas, operadas pelo Departamento de Estradas e Rodagens (DER). Com o BRT, o número cairá para 51.”

O BRT light da Pedro II receberá R$ 10 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2 e terá contrapartida do governo municipal, em valor ainda não definido. A obra está em fase de elaboração do projeto executivo, que dará condições de calcular o orçamento.

MUDANÇA DE PLANOS A Pedro II chegou a entrar no pacote de corredores aptos a receber a versão completa do BRT, com corredores exclusivos. Mas, devido ao alto custo das desapropriações, a prefeitura desistiu do projeto. A obra havia sido orçada em R$ 233,5 milhões. Na ocasião, foram levados em conta os fluxos diários de passageiros de cada corredor para estabelecer a prioridade das intervenções. Os BRTs da Antônio Carlos e da Cristiano Machado terão condição de transportar 36 mil e 24 mil passageiros no horário de pico, respectivamente, enquanto o da Pedro II teria capacidade para 8 mil. Segundo a prefeitura, a versão light do BRT não vai requerer desapropriações.

PALAVRA DE ESPECIALISTA: RONALDO GUIMARÃES GOUVêA, PROFESSOR DA UFMG E ESPECIALISTA EM TRANSPORTES URBANOS

Bom, mas insuficiente

“O BRT da Avenida Pedro II vai trabalhar com uma restrição operacional, já que os ônibus precisam entrar na faixa mista para fazer ultrapassagens. Ainda assim, qualquer BRT já significa um tratamento viário que prioriza o transporte coletivo e oferece uma condição melhor de tempo de viagem ao motorista. O sistema contribui para a política de transporte público, mas não isenta a cidade de implantar um modelo de maior capacidade, como o metrô. Belo Horizonte tem que continuar na busca incessante por recursos para ampliar a rede metroviária como espinha dorsal e o BRT e outros modais como complementares. No caso da Pedro II, bem como da Antônio Carlos e Cristiano Machado, onde as obras do BRT estão em andamento, já há demanda para mais passageiros do que a capacidade total. Os 8 mil passageiros estimados pela BHTrans para a Pedro II são pouco diante da real demanda, que hoje gira em torno de 20 mil passageiros.”

TIPOS DE BRT
1 – Completo
Semelhante ao modelo da Avenida Antônio Carlos, é operado à esquerda, com passagem pré-paga em estações no canteiro central, uma pista exclusiva para ônibus do BRT e outra para ultrapassagem. Ou seja, enquanto um ônibus estiver parado em uma das estações, outro poderá passar livremente por uma faixa lateral.
2 – Intermediário
Como o que está sendo implantado no corredor Cristiano Machado, esse modelo só tem ultrapassem exclusiva no trecho das estações.
3 – BRT Light
Previsto para a Pedro II, terá operação à esquerda, estações para pagamento de passagens e faixa exclusiva para ônibus, mas a ultrapassagem será feita na faixa dos carros.
4 – BRT Simples
Como na Avenida Nossa Senhora do Carmo, é operado à direita da via, sem estações nem faixa para ultrapassagem.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Em Uberaba, Sistema BRT será implantado na avenida Leopoldino de Oliveira

03/05/2012 - Jornal da Manhã

Prefeito Anderson Adauto (PMDB) garantiu que em julho será iniciada a implantação das subestações de passageiros do projeto de Mobilidade Urbana - elaborado pelo urbanista Jaime Lerner - ao longo da avenida Leopoldino de Oliveira.

Foto: Blog O Melhor de Uberaba

De acordo com ele, as primeiras estruturas deverão ser implantadas no trecho próximo à rua Bento Ferreira. “Só estamos aguardando a liberação das obras de macrodrenagem para começar a instalação de três subestações”, informa o prefeito. AA ainda destaca que as subestações serão instaladas sem vidros, catracas e refrigeração. A princípio, os usuários não poderão utilizá-las. “Só com todo o sistema de transporte concluído que elas entrarão em operação”, completa.

As outras estruturas começam a ser instaladas, também na Leopoldino de Oliveira, a partir do entroncamento da avenida Guilherme Ferreira, onde não serão realizadas intervenções dentro do projeto Água Viva, até a avenida Niza Marquez Guaritá.

Dois terminais (Leste/Oeste) de passageiros darão suporte ao sistema de transporte coletivo. As duas estruturas também terão as obras iniciadas nos próximos dois meses. Ainda ontem, AA se reuniu com os representantes das duas concessionárias do transporte público para discutir o cronograma de compra dos ônibus especiais que vão circular na principal artéria da cidade dentro do sistema o BRT - Bus Rapid Transit  (Trânsito Rápido de Autocarros/Ônibus).

Em BH, BRT desatará nós no trânsito e também vai gerar corte de vagas

02/06/2012 - Estado de Minas

A principal aposta de Belo Horizonte para o desafio do transporte de massa, especialmente para a Copa do Mundo de 2014, começa a mostrar a cara. E não apenas nas obras espalhadas pela cidade, que antes de representar a prometida solução para a mobilidade urbana vêm desafiando a paciência dos motoristas. Enquanto a prefeitura luta contra o calendário e enfrenta questionamentos nas licitações para o projeto, um dos consórcios que operam o sistema regular BHBus trouxe o primeiro veículo articulado para servir ao BRT (sigla em inglês para transporte rápido por ônibus), dentro dos parâmetros exigidos pela BHTrans. Flagrado pelo Estado de Minas, o veículo, quase 10 metros maior que modelos mais simples de coletivos (veja especificações na arte), será testado na cidade. A expectativa inicial é de ganhos, com a retirada de 802 ônibus de corredores como as avenidas Cristiano Machado, Antônio Carlos e do hipercentro de BH. O lado preocupante da inovação é a previsão de que sejam cortados postos de trabalho de 2.967 motoristas e cobradores. A ameaça de desemprego já preocupa o sindicato da categoria, que promete reagir na Justiça do Trabalho e até com greves.

Enquanto o enxugamento de cargos abre controvérsia e as obras rendem polêmica na Justiça e desgaste para motoristas, o novo modelo de coletivo que deverá se tornar comum na capital é preparado para as ruas. Estacionado em uma concessionária de Contagem, região metropolitana, o ônibus articulado de desenho futurístico flagrado pelo EM tem mais de 20 metros de comprimento e capacidade para até 165 passageiros. Cedido para testes pela Volvo, o veículo participava de teste de motores adaptados à nova legislação, e ainda será apresentado às empresas que operam o sistema BHBus e metropolitano.

O modelo Marcopolo Viale BRT, chassi Volvo B-340 M, foi configurado pelo grupo Treviso – que controla as viações Torres e Santa Edwiges – atendendo sugestões dos operadores de Belo Horizonte e especificações dos atuais ônibus que circulam na capital e região metropolitana. “Como a BHTrans ainda não estabeleceu o padrão definitivo, fizemos um BRT com cerca de 20 metros, média de comprimento desse tipo de veículo, e configuração interna semelhante à dos coletivos usados atualmente”, afirma Márcio Paschoalin, diretor-executivo do grupo Treviso.

A previsão inicial era de que a escolha dos modelos e a quantidade de veículos do BRT de Belo Horizonte tivessem sido definidas até fevereiro do ano passado. Em dezembro de 2010, dois ônibus articulados chegaram a ser apresentados na sede da BHTrans. Mas o tempo passou e a empresa que regula o transporte coletivo ainda não bateu o martelo sobre a configuração definitiva dos veículos do sistema, apontado como grande solução para o caótico trânsito de BH.

Testes
Enquanto a definição – agora programada para sair até julho – não vem, o grupo que representa duas empresas decidiu trazer à capital o primeiro ônibus do BRT, modelo próximo ao que será adotado. O coletivo será apresentado nas garagens nos próximos três meses e poderá ser testado nas ruas, com sacos de areia e galões de água simulando o peso dos passageiros. “Belo Horizonte tem uma das topografias mais acidentadas entre as capitais e o trânsito tem características bastante próprias. A Volvo sempre testou seus ônibus por aqui. Desta vez, decidimos trazer o BRT para mostrar aos operadores, na prática, como ele se comporta. Serão testes de tecnologia mecânica, de combustível, subida de rampa, consumo, ou seja, será mais um teste técnico”, explica o diretor Márcio Paschoalin, responsável pela avaliação do veículo.

O padrão interno e externo da carroceria será escolhido até julho, quando portaria vai definir as normas, garante o diretor de Planejamento da BHTrans, Célio Freitas, confirmando que detalhes do veículo da Volvo podem ser aproveitados. Entre eles estão os bancos de encosto alto e os visores laterais com itinerários, instalados no salão de passageiros.

"As definições técnicas sobre os chassis já estão prontas e, entre outros termos, exigem suspensão a ar, para estabilizar os ônibus nas plataformas, e, nos veículos articulados, volante retrátil, transmissão automática, além de motor traseiro ou central. Mas a carroceria ainda depende da apresentação de produtos que estão surgindo no mercado", aponta Freitas. Outros detalhes que vêm sendo estudados para integrar os veículos são um bicicletário na parte traseira dos ônibus e monitores de vídeo de 14 e 16 polegadas, que exibirão informações aos usuários.

De acordo com o diretor da BHTrans, os consórcios operadores só começarão a fazer os pedidos de compra para os ônibus do BRT em setembro. "Temos até lá para testar, verificar a funcionalidade e definir os padrões", diz. A intenção da empresa municipal de transporte e trânsito é iniciar a avaliação com passageiros nas linhas que partem da Estação São Gabriel e Venda Nova, rumo ao Centro da capital. Entretanto, ainda não há data definida para o início da operação.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

BH quer inaugurar dois BRTs antes da Copa das Confederações

13/01/2012 - Portal 2014

Sistema de corredores rápidos de ônibus são principal aposta da cidade para o Mundial

Modelo de estação do BRT da avenida Antônio Carlos (crédito: Divulgação)

Das obras viárias de Belo Horizonte, o sistema de corredores rápidos de ônibus, o Bus Rapid Transit (BRT), é a grande aposta do governo e da prefeitura para a Copa de 2014.

Segundo a Secretaria de Obras e Infraestrutura da capital mineira, os dois corredores que cortam a cidade de norte a sul (avenidas Antônio Carlos e Cristiano Machado), poderão levar até 750 mil passageiros por dia.

A previsão é que as obras fiquem prontas em maio de 2013, a um mês do início da Copa das Confederações. O evento-teste terá a capital mineira entre suas sedes, ao lado de Brasília, Fortaleza e Rio de Janeiro.

Estudos da BHTrans (empresa responsável pelo gerenciamento de trânsito da cidade), apontam que o tempo de viagem diminua em 57% com os novos corredores. Outra vantagem é a possibilidade de reduzir a frota de ônibus em até 40%.

O diretor-presidente da BHTrans, Ramon Victor César, afirma que o BRT será fundamental para ajudar a solucionar o problema do transporte público na capital mineira. “A implementação do BRT vai colaborar para a melhoria da mobilidade em Belo Horizonte. Acreditamos que este será um dos mais modernos sistemas de transporte do país, dando maior conforto e qualidade ao usuário.”

Corredores
O alargamento da pista da avenida Antônio Carlos começou em setembro passado. A intervenção é necessária para que sejam instaladas nove estações ao longo do trecho que vai da rua Adalberto Ferraz, no Lagoinha (região centro-sul) até o viaduto São Francisco (nordeste).

Da parte que compreende o bairro Aparecida (noroeste) e a avenida José Dias Bicalho (Pampulha, região norte), a substituição do piso asfáltico para o de concreto está em andamento.

Já a interseção que liga as avenidas Antônio Carlos e Abrahão Caram, inaugurado parcialmente em novembro, foi liberado pelas autoridades. Esta, por sinal, é uma das obras mais importantes para o acesso ao estádio Mineirão.

Uma das vias que também está sendo remodelada é o viaduto da avenida Oiapoque (centro-sul), que liga o centro da capital à avenida Antônio Carlos. Além de reforma estrutural, o alargamento em 1,40m também está previsto.

Obras
No BRT Cristiano Machado, seguem as obras de alargamento da via. Como o trecho já possuía corredor de ônibus, a modernização, como a instalação das estações, não demanda um esforço estrutural como acontece na Antônio Carlos. As obras já chegaram à avenida Vilarinho (Venda Nova, região norte), com a readequação estrutural.

Além dos dois sistemas de BRT, mais cinco obras mobilidade serão feitas até 2014. Destas, duas ainda não começaram: o BRT Área Central e o Corredor da avenida Pedro II, ambos com previsão de início para março deste ano.

Ao todo, as obras viárias de BH para a Copa custarão R$ 1,5 bilhão, divididos entre os governos municipal, estadual e federal. Deste montante, R$ 1,23 bilhão virá de financiamento do PAC da Mobilidade Urbana, com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).