sábado, 30 de março de 2013

Obra de viaduto do BRT na Pedro I está parada há seis meses

26/03/2013 - Hoje em Dia

Samuel Costa

A construção de um viaduto na avenida Pedro I, na região Norte de Belo Horizonte, dentro do projeto de implantação de um dos corredores do BRT (transporte rápido por ônibus), está parada há seis meses.

O problema pode atrasar ainda mais o cronograma do empreendimento, que é uma das apostas para minimizar o caos no trânsito na cidade até a Copa do Mundo, em 2014. O motivo da paralisação é obscuro: a PBH não explicou, até o fechamento desta edição, por que homens e máquinas estão ociosos.

Expostas ao tempo, ferragens da estrutura enferrujam. A falta de proteção das vigas, concreto e ferros pode comprometer a "validade" da ponte. As normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT–NBR) determinam que uma construção desse porte deve durar pelo menos cinco décadas sem manutenção.

Porém, esse tempo pode ser reduzido para menos de 20 anos se as obras forem retomadas sem a preparação necessária do concreto e do aço desprotegido, conforme o vice-presidente do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de Minas Gerais (Ibape-MG), Clemenceau Chiabi Saliba Júnior.

"A obra não foi pensada de forma a parar no meio do cronograma. Não há proteções adequadas de elementos de construção em nenhuma parte. Isso comprometerá a vida útil do viaduto se não forem tomadas as providências para devolver a esses materiais uma condição segura. As intempéries e a agressividade do meio ambiente afetam a estrutura", diz Clemenceau, ressaltando que a retomada das obras vai demandar mais dinheiro.

Silêncio

Moradores vizinhos ao viaduto chegaram a falar que uma falha de projeto de engenharia teria motivado a paralisação da obra. A reportagem do Hoje em Dia cobrou, na quinta-feira, por e-mail e telefone, um posicionamento da prefeitura sobre a obra e as denúncias.

Na última segunda-feira (25), o chefe de gabinete e responsável pelo setor de comunicação da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), Marcílio Batista Rodrigues Silva, alegou que a resposta da prefeitura não poderia ser divulgada sem o consentimento do diretor da Sudecap, José Lauro Nogueira.

sexta-feira, 29 de março de 2013

MG: Em Uberlândia, monitoramento online dos ônibus terá aplicativo para celular via GPS

28/03/2013 - Correio de Uberlândia

A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SETTRAN) está desenvolvendo um aplicativo do sistema de monitoramento online dos ônibus

Foto: Reprodução
O dispositivo está sendo ampliado a partir do que já existe na prefeitura. Pelo sistema de GPS, fiscais da Settran e técnicos da secretaria já fazem o monitoramento do sistema de transporte coletivo. Quando um carro desvia do percurso, por exemplo, a empresa é acionada para corrigir o problema.

O programa permite ainda o acompanhamento do horário em que cada ônibus passa pelo ponto, se houve desvio de rota e se existe congestionamento nas linhas, sendo que toda movimentação fica gravada no sistema.

Atualmente, o serviço já é disponibilizado no Portal da Prefeitura, no link 'monitoramento online'. "O serviço mostra apenas onde o ônibus está. O que nós queremos disponibilizar para a população é o serviço completo de informações, assim todo mundo que tiver o aplicativo não precisará esperar por muito tempo no ponto de ônibus", disse Divino dos Santos, assessor de transportes da Settran.

Em uma demonstração do sistema, o assessor de transportes observou, por exemplo, que naquele momento (9h03) sete ônibus estavam na avenida Afonso Pena entre a Praça Clarimundo Carneiro e o Terminal Central. Outro caso foi a movimentação do carro 4524 da linha T121 (Umuarama/Luizote), que às 8h51 atravessava a rua Monte Alegre a 23km/h. No momento, circulavam 13 carros na linha e um ônibus reserva estava estacionado.

Uberlândia tem hoje 410 ônibus em 114 linhas regulares do transporte coletivo. São transportados por mês cerca de 4,5 milhões de passageiros. Hoje os terminais de ônibus já disponibilizam monitores que oferecem o horário de chegada dos ônibus.

Fonte: Correio de Uberlândia

sábado, 23 de março de 2013

BRT de Belo Horizonte rodará em fevereiro, garante prefeito

21/03/2013 - Estado de Minas

No mesmo dia em que o prefeito Marcio Lacerda (PSB) confirmou a conclusão das obras do sistema de transporte rápido por ônibus (BRT, na sigla em inglês) para dezembro, com início de operação previsto para fevereiro de 2014, o governo do estado anunciou o início da construção de dois terminais do BRT metropolitano, em Ibirité e Sarzedo. Lacerda justificou os atrasos no cronograma de implantação do BRT, enumerou vários problemas e disse que tudo está pronto a tempo. "Tivemos problemas de atrasos de repasses de recursos para a desapropriação, tivemos problemas com a Caixa Econômica Federal, que demorou a transferir verbas de um contrato de uma obra para outra, e problemas de modificações de projetos, que se fizeram necessárias em razão de obstáculos no subsolo", afirmou.

Para Marcio Lacerda, o fato de não poderem ser executadas obras simultaneamente nas avenidas Santos Dumont e Paraná contribuiu em muito para a extensão do cronograma. "Nós tínhamos o projeto pronto, fizemos a licitação, mas entre o fim de 2011 e início de 2012 vimos que se fizéssemos as duas obras ao mesmo tempo isso trancaria o trânsito no Centro. E, sem os dois trechos completos, o BRT não tem como operar", concluiu.

Com relação ao terminais de Ibirité e Sarzedo, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) informou que a previsão de conclusão das obras é para o primeiro semestre do ano que vem. O terminal de Sarzedo, localizado na MG-040, no Bairro Santa Rosa de Lima, demandará investimentos de R$ 8,3 milhões, com capacidade para receber 6 mil passageiros/dia no horário de pico, com 87 viagens.

O de Ibirité vai receber investimentos de R$ 12,6 milhões, e terá condições de atender cerca de 10 mil passageiros/dia no horário de pico, em 155 viagens. Os terminais serão equipados com plataforma de embarque e desembarque, prédio de apoio com salas de administração e manutenção, bilheteria, sanitários públicos, postos médico e policial e bicicletários. Os editais para as obras dos demais terminais do BRT metropolitano serão publicados ainda no primeiro semestre, informou a Setop.

Cristiano Machado

Começa a valer nesta sexta-feira outra interdição na Avenida Cristiano Machado para obras do BRT. O trecho entre a Avenida Silviano Brandão e Rua Guanabara, sentido Bairro/Centro, no Bairro da Graça, Região Nordeste de Belo Horizonte, ficará fechado por pelo menos 60 dias. O tráfego de veículos no cruzamento da Rua Jacuí com Avenida Cristiano Machado será mantido. O retorno do trânsito normal vai depender do andamento das obras. As opções de desvio estão no site da BHTrans.

Informações: Estado de Minas

Estações de BRT de Uberaba estão servindo de enfeites

22/03/2013 - Jornal de Uberaba

Ônibus automáticos, suspensão a ar, motor traseiro, tornando o veículo mais silencioso, carroceria mais larga, garantindo mais espaço, bancos de passageiros ergométricos e com encosto de cabeça, as janelas maiores para ventilação adequada. Este é o sonho do usuário do transporte coletivo: ter mais espaço e conforto.


Em Uberaba, os passageiros até acreditaram que iriam andar em veículos deste tipo, mas o que ocorreu foi apenas apresentação dos ônibus BRT (Bus Rapid Transit ou Trânsito Rápido de Ônibus ou metrorizados), que vão operar nas linhas do Sistema Leste-Oeste, quando foram apresentados à população e ao ex-prefeito Anderson Adauto, em dezembro do ano passado, pelas concessionárias do transporte coletivo urbano, Lider e Piracicabana.

Os ônibus apresentados e as estações de embarque e desembarque de passageiros que foram instaladas ao longo da avenida Leopoldino de Oliveira, até o momento, não passam de meros enfeites. Eles fazem parte do projeto de mobilidade urbana para a expansão do sistema de transporte para as regiões sudeste e sudoeste, a ser implantado no município.

De acordo com o projeto elaborado pelo arquiteto Jaime Lerner, o objetivo do sistema é solucionar os problemas do trânsito em algumas áreas críticas e organizar a circulação do transporte coletivo. Ao todo, foram instaladas dez estações climatizadas e dois terminais que irão interligar as regiões Leste/Oeste e Sudeste/Sudoeste. O cronograma inicial era de que as obras da primeira etapa do projeto deveriam ter sido concluídas em novembro do ano passado, com previsão de funcionamento no final de 2012.

Entretanto, isso não aconteceu. As estações climatizadas já foram montadas, duas delas através de emenda de iniciativa individual no valor de R$ 400 mil, uma do deputado federal Aelton Freitas (PR/MG) e outra do prefeito Paulo Piau (PMDB), quando ainda era deputado. O que se vê são estruturas "abandonadas", cheias de água e com denúncia de focos de dengue. Algumas estações estão ficando sem terra no pé das estruturas, já que a chuva tem levado terra dos locais e as obras realizadas pelo projeto Água Viva acabaram retirando a terra das bases dessas estruturas. Em outras, o mato toma conta.

Quanto às estações, elas continuam paradas. O terminal Oeste, que ficará próximo ao novo shopping, na Univerdecidade, e o terminal Leste, no Manoel Mendes, estão parados. No Leste, a situação é pior, já que a área onde será implantada está sub judice. Já no terminal Oeste, foi iniciada a terraplenagem e o que se vê é acúmulo de terra.

Enquanto isso, a população continua aguardando o prometido moderno sistema de ônibus, que garantirá conforto e eficiência. E o dinheiro até então investido está sendo consumido pelas intempéries do tempo. Se o projeto de mobilidade urbana não for implantado com agilidade, nas palavras da própria população, "as estruturas irão deteriorar e o dinheiro do povo, mais uma vez, irá para o ralo".

Por Maria das Graças Salvador
Informações: Jornal de Uberaba

sexta-feira, 22 de março de 2013

Em Uberaba, mobilidade urbana não sai das estruturas

22/03/2013 - Jornal de Uberaba, Maria das Graças Salvador

A mobilidade urbana em Uberaba, Minha Gerais, vem sofrendo com a falta de atenção das autoridades


Estações de BRT de Uberaba estão servindo de enfeites
Ônibus automáticos, suspensão a ar, motor traseiro, tornando o veículo mais silencioso, carroceria mais larga, garantindo mais espaço, bancos de passageiros ergométricos e com encosto de cabeça, as janelas maiores para ventilação adequada. Este é o sonho do usuário do transporte coletivo: ter mais espaço e conforto.


Em Uberaba, os passageiros até acreditaram que iriam andar em veículos deste tipo, mas o que ocorreu foi apenas apresentação dos ônibus BRT (Bus Rapid Transit ou Trânsito Rápido de Ônibus ou metrorizados), que vão operar nas linhas do Sistema Leste-Oeste, quando foram apresentados à população e ao ex-prefeito Anderson Adauto, em dezembro do ano passado, pelas concessionárias do transporte coletivo urbano, Lider e Piracicabana.

Os ônibus apresentados e as estações de embarque e desembarque de passageiros que foram instaladas ao longo da avenida Leopoldino de Oliveira, até o momento, não passam de meros enfeites. Eles fazem parte do projeto de mobilidade urbana para a expansão do sistema de transporte para as regiões sudeste e sudoeste, a ser implantado no município.

De acordo com o projeto elaborado pelo arquiteto Jaime Lerner, o objetivo do sistema é solucionar os problemas do trânsito em algumas áreas críticas e organizar a circulação do transporte coletivo. Ao todo, foram instaladas dez estações climatizadas e dois terminais que irão interligar as regiões Leste/Oeste e Sudeste/Sudoeste. O cronograma inicial era de que as obras da primeira etapa do projeto deveriam ter sido concluídas em novembro do ano passado, com previsão de funcionamento no final de 2012.

Entretanto, isso não aconteceu. As estações climatizadas já foram montadas, duas delas através de emenda de iniciativa individual no valor de R$ 400 mil, uma do deputado federal Aelton Freitas (PR/MG) e outra do prefeito Paulo Piau (PMDB), quando ainda era deputado. O que se vê são estruturas "abandonadas", cheias de água e com denúncia de focos de dengue. Algumas estações estão ficando sem terra no pé das estruturas, já que a chuva tem levado terra dos locais e as obras realizadas pelo projeto Água Viva acabaram retirando a terra das bases dessas estruturas. Em outras, o mato toma conta.

Quanto às estações, elas continuam paradas. O terminal Oeste, que ficará próximo ao novo shopping, na Univerdecidade, e o terminal Leste, no Manoel Mendes, estão parados. No Leste, a situação é pior, já que a área onde será implantada está sub judice. Já no terminal Oeste, foi iniciada a terraplenagem e o que se vê é acúmulo de terra.

Enquanto isso, a população continua aguardando o prometido moderno sistema de ônibus, que garantirá conforto e eficiência. E o dinheiro até então investido está sendo consumido pelas intempéries do tempo. Se o projeto de mobilidade urbana não for implantado com agilidade, nas palavras da própria população, "as estruturas irão deteriorar e o dinheiro do povo, mais uma vez, irá para o ralo".

Por Maria das Graças Salvador
Informações: Jornal de Uberaba

quinta-feira, 14 de março de 2013

Empresas cancelam encomenda de 266 ônibus do BRT em BH

13/03/2013 - Estado de Minas

A demora motivada por atrasos nas obras e a incerteza quanto ao início da operação do sistema de transporte rápido por ônibus (BRT, na sigla em inglês) forçaram os consórcios operadores do transporte coletivo de Belo Horizonte e região metropolitana a colocar o pé no freio. Sem uma garantia do poder público sobre quando os três primeiros corredores – nas avenidas Pedro I/Antônio Carlos, Cristiano Machado e Região Central – estarão aptos a receber as primeiras linhas da principal aposta de mobilidade urbana da Grande BH, empresas de transporte adiaram a compra do primeiro "pacotão" de coletivos previstos para transportar boa parte dos 750 mil usuários/dia estimados somente em BH.

A negociação inicial de frota para o BRT da Grande BH foi anunciada em outubro do ano passado pela Volvo sueca, juntamente com a venda de ônibus para Bogotá (Colômbia), Toronto (Canadá), Israel e Suécia. São 106 veículos articulados e 160 do tipo padron, semelhantes aos usados no sistema atual. Como a negociação foi interrompida, parte dos articulados que viria para Minas está sendo redirecionada para os consórcios TransOeste e TransCarioca, do Rio de Janeiro. O adiamento foi confirmado pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH), que disse aguardar a conclusão da infraestrutura para colocar a frota para rodar. Procurado diversas vezes nos últimos dias, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram) não retornou os telefonemas.

Entenda o BRT


[SAIBAMAIS]Apesar de ser apenas o primeiro, o lote de 266 veículos em negociação inclui boa parte dos ônibus previstos para o BRT de BH (192 articulados e 200 padrons) e para o BRT metropolitano (139 articulados e 147 padrons). "Fizemos uma pesquisa de mercado com a Volvo e a Mercedes, mas não podemos fechar a compra e deixar os ônibus na garagem. Nossa esperança é de que as obras embalem a partir da segunda quinzena, porque o trânsito está caótico. Hoje uma viagem de ônibus de uma cidade da Grande BH ao Centro dura quatro horas. Temos prontos os projetos financeiro e orçamentário para compra dos veículos, mas só fecharemos negócio quando tivermos certeza sobre o fim das obras", disse ao Estado de Minas o proprietário de uma das maiores empresas de ônibus da região metropolitana, que participará do sistema com uma frota de cerca de 150 veículos, mas que prefere não ser identificado.

Metropolitano

Se as obras dos corredores na capital sofrem com atrasos, a construção das estações BRT previstas no Projeto Terminais Metropolitanos de Integração, anunciada no fim de janeiro pelo governo do estado, ainda não engrenou. Somente duas unidades, que não terão linhas do BRT (Ibirité e Sarzedo), receberam autorização para início das obras, com previsão de término para o primeiro semestre de 2014. A Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), ainda assim, garante que os sete terminais BRT previstos – Vilarinho, São Gabriel, Morro Alto, São Benedito, Justinópolis, Bernardo Monteiro e a atual rodoviária de BH –, de um total de 13, começarão a ser construídos até o fim do ano, com previsão de conclusão até a Copa'2014.

O custo de construção dos terminais é de R$ 187 milhões. Para adquirir os novos ônibus, os consórcios terão de desembolsar mais cerca de R$ 200 milhões. Embora a BHTrans alegue ser interesse das empresas adquirir e disponibilizar os veículos o mais rápido possível, a produção desse tipo de ônibus demanda tempo e, segundo o próprio governo anunciou, alto investimento: os articulados demoram de seis meses a um ano para ficarem prontos (carroceria e chassi), a um custo que pode passar dos R$ 800 mil a unidade.

[FOTO2]Com receio de perder dinheiro com os veículos parados, as empresas decidiram adiar a negociação, aguardando um sinal verde do poder público. O problema é que, quando decidirem ir às compras, poderão enfrentar um quadro de desabastecimento de mercado, aquecido no Brasil com a construções de corredores BRTs em cidades-sede da Copa'2014, como Fortaleza e Porto Alegre. "Quando se chegar perto da Copa do Mundo, os projetos podem não ficar prontos a tempo e haverá um acúmulo de pedidos de ônibus. Uma verdadeira corrida por BRTs", alertou o presidente da Volvo Bus Latin America, Luiz Carlos Pimenta, durante a feira Fetrans'Rio, em outubro do ano passado, no Rio de Janeiro.

Na última visita do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, ao Mineirão antes da Copa das Confederações'2013, há uma semana, o prefeito Marcio Lacerda admitiu redução na execução das obras, mas prometeu que os trabalhos seriam completamente retomados este mês, com previsão de término para dezembro e início de operação no primeiro semestre de 2014. Mas a previsão inicial era de que o BRT funcionasse já durante o torneio pré-Copa, de 15 a 30 de junho.

Frota de ônibus é outra preocupação para conclusão do BRT

14/03/2013 - Estado de Minas

O temor dos consórcios que operam o transporte coletivo em Belo Horizonte quanto à demora para término das obras do BRT não altera o planejamento da BHTrans para o sistema. Mesmo com o adiamento da compra do primeiro "pacotão" de coletivos para a principal aposta de mobilidade da capital para a Copa do Mundo'2014, a empresa que gerencia o trânsito na capital aposta no início de operação do modelo para o primeiro semestre do ano que vem e planeja um prazo curto, de no máximo seis meses, para que toda a frota de aproximadamente 400 coletivos seja produzida e entregue às empresas. Fabricantes de ônibus, por outro lado, alertam: a produção completa de um veículo nos moldes do novo sistema pode demorar até oito meses, dependendo da demanda do mercado.

Depois de o Estado de Minas ter revelado ontem que empresários decidiram suspender a primeira encomenda de 106 ônibus articulados e 160 do tipo padron para o BRT, com temor de que a frota fique parada nas garagens – diante dos atrasos nas obras dos corredores das avenidas Pedro I/Antônio Carlos, Cristiano Machado e Região Central – o presidente da BHTrans, Ramon Victor César, disse ontem em audiência pública na Câmara Municipal que o cronograma está mantido. Segundo ele, a compra dos veículos será feita em junho, em um processo financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). "Os empresários já entraram com a documentação. Com os pedidos formalizados na metade do ano, os primeiros coletivos deverão ser entregues em dezembro ou janeiro do ano que vem", acredita.

A disponibilidade de pelo menos dois componentes indispensáveis à produção dos ônibus é outro fator preocupante. A articulação da carroceria e o câmbio automático, uma das especificações dos articulados de BH, são importados. Como todos os fabricantes têm o mesmo fornecedor, da Alemanha, essas peças poderiam acabar atrasando a produção, adianta o gerente de marketing da MAN Latin America, João Herrmann. "Articulados são ônibus especiais, não os temos no estoque. A chegada das peças importadas acaba atrasando a produção. Dependendo da liberação na alfândega, um chassi (estrutura com motor, eixos e rodas) de ônibus pode demorar de 120 a 150 dias para ficar pronto", aponta.

Prefeitura muda discurso e já não se compromete com prazo para conclusão do BRT

14/03/2013 - Estado de Minas

Com orçamento acima do planejado, atrasos podem comprometer a entrega plena do sistema de transporte rápido por ônibus (BRT, na sigla em inglês) de Belo Horizonte antes da virada do ano. Representantes da prefeitura presentes ontem a audiência pública na Câmara Municipal tentaram demonstrar que a instalação da principal aposta do transporte público para a Copa do Mundo está sob controle, mas não se comprometeram com prazos. O próprio secretário municipal de Obras e Infraestrutura, José Lauro Nogueira Terror, evitou ser incisivo: "Temos grande propensão de, ao fim do ano, termos as obras completadas". Há uma semana, o prefeito Marcio Lacerda havia previsto a conclusão para o fim de 2013, o que já representava um atraso, pois inicialmente esperava-se contar com o modelo já para a Copa das Confederações, em junho.

A reunião de emergência na Câmara foi marcada a pedido do vereador Tarcísio Caixeta (PT) e ocorreu no dia em que o Estado de Minas mostrou que a lentidão das obras levou empresas de transporte a adiar a negociação do primeiro pacote de ônibus para o novo sistema. Na audiência de ontem, na Comissão de Orçamento e Finanças, o presidente da BHTrans, Ramon Victor César, afirmou que a compra dos veículos deve ocorrer no segundo semestre.

[SAIBAMAIS] O descompasso no BRT pode afetar também o orçamento. O gasto com o sistema foi previsto em R$ 1 bilhão, mas na audiência o secretário de Obras admitiu que pode haver variação de 1,5%. A porcentagem representa nada menos que R$ 22,5 milhões, dinheiro que daria para construir um dos três terminais em Santa Luzia, na Grande BH, com sobra de R$ 500 mil.

O atraso nas obras foi justificado pelos representantes da PBH como resultado de dificuldades para liberação de verbas para desapropriações e do desconhecimento de terrenos por onde as vias exclusivas para ônibus deverão passar. Na área central, apesar de o sistema ser de menor extensão, a obra se mostrou um desafio ainda maior que os longos corredores, como o da Avenida Cristiano Machado. "O subsolo e quase a superfície do solo das avenidas Santos Dumont e Paraná eram mais desconhecidos do que imaginávamos. A cidade não dispõe dos cadastros de todas as redes subterrâneas na área", afirmou José Lauro.

Na Avenida Santos Dumont foi necessário parar as máquinas assim que os operários começaram a encontrar obstáculos, como adutoras de água, dutos de drenagem pluvial e cabeamento de luz, entre outros. "Reduzimos a velocidade quase ao ritmo de uma escavação arqueológica", disse o secretário. O aprendizado serviu para que as intervenções na Avenida Paraná não fossem tão demoradas.

Ainda segundo o secretário de obras, "nenhuma das empresas parou de trabalhar", mas os contratempos criaram um efeito cascata que atrasou outras etapas. "Não pudemos instalar as 41 estações do BRT, porque como são módulos refinados, com vidros e equipamento eletrônico moderno, não poderiam dividir espaço com as obras pesadas", argumentou. Os vereadores marcaram uma visita aos canteiros de obras para 2 de abril, a fim de verificar a evolução das intervenções.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Governo Federal libera R$ 535 milhões para Uberlândia e Uberaba

07/03/2013 - Mega Minas

O Governo Federal liberou recursos para Uberlândia e Uberaba que serão usados em saneamento e mobilidade urbana. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (6) durante um encontro que reuniu prefeitos, governadores e a presidente Dilma Rouseff no Palácio do Planalto em Brasília, no Distrito Federal.

Mais Notícias de Uberaba

Para Uberlândia foram liberados R$ 485 milhões através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Uberaba receberá R$ 38 milhões no Programa de Mobilidade e R$ 12,5 milhões em recursos para investimentos em água e tratamento de esgoto. Os recursos do financiamento serão liberados via Ministério das Cidades.

Informações: Mega Minas

segunda-feira, 4 de março de 2013

Viçoaa - MG

02/03/2013

Foto: Marcelo Almirante

Viçosa - MG

02/03/2013 - Foto Marcelo Almirante

Viçosa - MG

02/03/2013

Foto: Marcelo Almirante