quinta-feira, 22 de abril de 2010

Novos ônibus na capital



  • BHTrans - 13/04/2010

  • Ventiladores, assento para obesos e vidros escuros são alguns dos itens que integram a frota, conforme as normas da ABNT 

    Ônibus com ventiladores, assento para obesos, vidros escuros originais de fábrica e piso antiderrapante. Esses são alguns dos itens que já podem ser vistos e utilizados pelos usuários de 644 veículos, correspondendo a 1/4 da frota do Sistema de Transporte Público de Belo Horizonte.

    O assento para obesos é apresentado em um banco inteiriço, sem divisões, com estofado, encosto para cabeça e localizado no salão dianteiro. Na cor amarela, como os demais espaços reservados, o assento apresenta na sua lateral o adesivo que identifica o público alvo: obesos, gestantes, pessoas com bebês ou crianças de colo e pessoas com deficiência.

    Para melhorar ainda mais a acessibilidade, o piso dos coletivos é antiderrapante e o balaustre (tubo onde o usuário se apóia com a mão) é tátil, possuindo frisos que facilitam a identificação para os deficientes visuais.

    Outro item que compõe a melhoria da acessibilidade são os novos elevadores para o cadeirante com acionamento simplificado e que também permitirão o embarque e desembarque de usuários com mobilidade reduzida. Eles disparam luzes internas e externas para alertar usuários e motoristas sobre o acesso da pessoa com deficiência no ônibus, oferecendo mais segurança no embarque e desembarque do usuário.

    Um ventilador para o motorista e pelo menos três ventiladores afixados no teto do ônibus e que também podem funcionar como exaustores oferecem mais alívio nas viagens dos dias quentes. "Os usuários aprovaram as novidades. A orientação na empresa é para usar o ventilador. Já recebi também elogios sobre os novos bancos reservados para os deficientes e obesos", conta Alexandre Carvalho, motorista da linha 8203 (Renascença/Buritis). Na empresa onde trabalha, a Rodopass do Consórcio Dom Pedro II, 122 veículos já estão circulando com os itens especificados acima.

    Os novos ônibus se enquadram nas especificações determinadas pela BHTRANS e seguem à risca as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT. "Todas as medidas visam oferecer mais conforto e segurança para os usuários e operadores", explica Rodrigo Pimenta, supervisor de Inspeção Veicular da BHTRANS.

    Também as janelas ficaram mais arejadas: a sua parte inferior era inteiriça e, agora, em muitos veículos, conta com abertura de até 20 cm. Vidros escuros originais de fábrica em boa parte dos novos veículos ajudam a amenizar o calor. As lixeiras estão mais próximas das portas e os botões de acionamento da campainha foram instalados em todos os balaustres, permitindo que o usuário os acione com maior facilidade. 

    Já os letreiros eletrônicos, que identificam o número e o nome da linha, utilizam leds nas cores amarelo âmbar ou branco, mais visível para os passageiros.  Duas tarjas coloridas afixadas no pára-brisa ajudam usuários com baixa visão a identificar o itinerário da linha. Por exemplo, na linha 8203 (Renascença/Buritis) as tarjas são azuis e amarelas. Azul indica que o ônibus circula pela Rua Padre Eustáquio e amarelo pela Avenida Amazonas e Via Expressa. "Aos poucos os usuários vão associando as cores aos itinerários das linhas que mais utilizam", esclarece Rodrigo Pimenta.

    Fonte: Assessoria de Comunicação e Marketing da BHTRANS, 13/4/2010. 

Imagem: Arquivo BHTRANS.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

BRT não substitui metrô, diz BHTrans



12/04/2010 - O Estado de Minas

Pista exclusiva e livre de obstáculos, ônibus articulados, com maior capacidade de passageiros, estações de embarque e desembarque, pontualidade e rapidez são alguns atributos do Transporte Rápido por Ônibus, o BRT (sigla de Bus Rapid Transit). O sistema modal que é visto como a alternativa mais imediata para o transporte na capital está longe de representar uma solução definitiva para Belo Horizonte. O diretor de planejamento da BHTrans, empresa que administra o trânsito da capital, Célio Freitas, assume que o BRT resolve o problema no horizonte da Copa 2014, mas não é um substituto ao metrô. “O custo de implantação é de 20% em relação ao metrô. O BRT é uma solução a curto prazo, mas é o metrô o transporte de massa de altíssima capacidade”, ressalta.
O mestre em engenharia de transporte Paulo Rogério Monteiro, assessor técnico de mobilidade da Agência Metropolitana, destaca que um sistema eficiente é aquele que aproveita as características dos modos de transporte. “Não existe uma solução metropolitana que não passa pela alternativa intermodal. A mobilidade metropolitana é uma grande e complexa engrenagem composta por peças diferentes. Resta saber encaixar cada uma”, afirma. Monteiro explica que a escolha do tipo de transporte a ser adotado leva em consideração as faixas de capacidade de transporte. Enquanto o BRT trabalha com a capacidade de 19 mil passageiros por hora por sentido, o metrô pesado é capaz de carregar 60 mil (veja quadro).
Mesmo sem as esperadas linhas 2 (Calafate-Barreiro) e 3 (Savassi-Lagoinha) do metrô, a BHTrans se debruça na tentativa de interligar o BRT à linha existente. O corredor da Cristiano Machado terá interface com a Estação São Gabriel e, futuramente, com a Estação Vilarinho. Já o BRT da Antônio Carlos-Pedro I e da Pedro II-Carlos Luz terão ligação com a Estação da Lagoinha.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Abrigos de ônibus chegam a todas as regiões da capital

18/03/2010

Adaptados a dimensões de calçadas estreitas, mas com a mesma identidade visual dos já existentes, abrigos menores são instalados nas nove regiões da cidade 

Até o final de abril, a Prefeitura de Belo Horizonte e a BHTRANS finalizam a implantação de 680 abrigos de passageiros em pontos de ônibus em diversos bairros de todas as regiões da cidade, proporcionando mais conforto e segurança aos usuários. 

Para esses novos abrigos foi elaborado outro modelo, baseado nos existentes no centro da cidade, a fim de manter a identidade do mobiliário urbano, porém com dimensões menores, adaptados para calçadas estreitas. "Como os passeios da maioria dos bairros fora do centro da capital são menores, foi necessário fazer adaptações para atender também a esses locais", esclarece Jussara Bellavinha, diretora de Desenvolvimento e Implantação de Projetos da BHTRANS. Esses abrigos estão sendo instalados respeitando-se o Código de Posturas do município de Belo Horizonte, que estabelece a reserva de 1,5m livre para a circulação de pedestres. 

Eles começaram a ser implantados em agosto de 2009 e contavam com uma barra de encosto, conforme tinham sido elaborados. Como o encosto não atingiu o objetivo de dar conforto aos usuários e em função de pedidos da comunidade e dos vereadores, o projeto inicial foi modificado e foram colocados assentos no lugar da barra de encosto. 

Até o começo de março deste ano, foram realizadas trocas em 80 abrigos da região Oeste e 62 em Venda Nova. E ao término de abril, todos os 240 encostos já estarão substituídos.

Na Avenida Cristiano Machado, no bairro Guarani, os usuários aprovaram a substituição do encosto pelo assento. É o caso de Leonardo Rodrigues, que aguardava a linha 62 (Estação Venda Nova/Savassi via Hospitais) no ponto de parada. "Vai ficar bem melhor, especialmente para os idosos e para quem espera o ônibus aqui para ir ao Núcleo Assistencial Caminhos para Jesus", disse Leonardo. 

Outra passageira, Irani de Fátima Oliveira Domingos, também gostou da modificação e só  expressa uma preocupação: "o assento é muito bom para todos, mais para os idosos. Só espero que os vândalos não apareçam por aqui".
Para realizar esse projeto, as solicitações dos usuários foram estudadas pelos técnicos da BHTRANS, considerando-se as condições físicas dos locais e a movimentação de passageiros nos pontos de ônibus pesquisados. Um mobiliário simples e funcional foi a solução às demandas dos passageiros de ônibus, respeitando o pequeno espaço disponível nas calçadas. 

O contrato de instalação dos abrigos, firmado após realização de concorrência pública, prevê  ainda a recomposição das calçadas e instalação de piso tátil no local, de acordo com as normas de acessibilidade em vigor. "Nos lugares em que a calçada ainda é de terra, o contrato prevê a sua construção em um espaço de pelo menos 4 m²", diz Carlos Alberto Faria Gonzaga, analista da Gerência de Sinalização da BHTRANS.

Localização dos abrigos

Os locais contemplados foram definidos a partir de demandas das comunidades, apresentadas às Secretarias de Administração Regional, nas Comissões Regionais de Transportes e Trânsito, às Gerências Regionais da BHTRANS e por meio dos vereadores. Até início de março, 484 abrigos para passeios estreitos já estavam distribuídos por todas as regiões da cidade e só a Noroeste ganhou 121 abrigos, por ser área de maior malha viária de Belo Horizonte. 

Segundo um representante da Comissão Regional de Transportes e Trânsito da Regional Noroeste, os pedidos de instalação de abrigos para passageiros são frequentes e acompanhados por outras reivindicações, como melhorias nos quadros de horários das linhas de ônibus. E com relação aos pedidos de abrigos, não há distinção de faixa etária: jovens, adultos e idosos, todos solicitam abrigos.

A ampliação dos abrigos por inúmeros bairros de Belo Horizonte é resultado da política social da Administração Municipal para melhorar a qualidade de vida dos belorizontinos.

Informações nos abrigos 

Além de conforto e segurança, 230 abrigos do centro contam com informações úteis aos passageiros de ônibus. Painéis mostram mapa esquemático com os principais pontos de interesse a partir do ponto de parada, um quadro de frequência por faixa horária e o itinerário resumido da linha. A disponibilização de informações aos passageiros nos abrigos fazem parte do projeto Infoponto.

Uma pesquisa realizada com passageiros nos pontos já contemplados com esse projeto apontou um índice de aprovação de 96% em relação a essa iniciativa.

A segunda etapa de implantação do projeto vai estender a colocação paineis em abrigos dos corredores de transporte e dos principais pontos de embarque e desembarque dos bairros e seu início está previsto para o próximo mês de abril.

Fonte: Assessoria de Comunicação e Marketing da BHTRANS, 18/03/2010. 

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Corredor rápido na Savassi


7/4/2010
Estado de Minas (MG)

Alternativas de transporte público para atender um dos corredores mais movimentados de Belo Horizonte, a Avenida Nossa Senhora do Carmo, na Região Centro-Sul da capital, estão perto de serem conhecidas. A BHTrans confirmou ontem que está em curso estudo para verificar as melhores opções para a via. A empresa está preparando um edital de licitação para projeto executivo com o objetivo de apontar a melhor solução: corredores rápidos de ônibus (BRT-Bus Rapid Transit); implantação de veículos leves sobre trilhos (VLT), nome moderno para um formato de bonde mais complexo; ou o monotrilho (meio ferroviário sobre trilhos suspensos por pilares).
   
De acordo com o diretor de Planejamento da BHTrans, Célio Freitas, a expectativa é de que o edital seja publicado até maio. O vencedor da licitação será contratado em julho e deverá começar os trabalhos em agosto. O prazo para a conclusão da avaliação é de um ano. No estudo, será verificado também o início e o fim do ramal - se o novo meio de transporte ligaria o Centro de BH até o Belvedere, também na Região Centro-Sul, ou se teria início a partir da Savassi. A escolha será feita segundo a viabilidade técnica e econômica.
   
"A Região Sul tem a maior taxa de motorização, o que significa mais usuários de automóveis. Temos de dar uma alternativa de transporte coletivo à área, senão as ruas ficarão todas saturadas. É preciso uma alternativa de qualidade para essa região. Não podemos deixá-la do jeito que está", ressalta Célio Freitas.
   
CONFORTO O coordenador do Núcleo de Transportes (Nucletrans) da Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais, Ronaldo Guimarães Gouvêa, vê com ressalvas a implantação de um modelo alternativo na Avenida Nossa Senhora do Carmo. Para o especialista em transporte e trânsito, medidas mais estruturantes com a finalidade de criar um sistema com maior capacidade deve ser centralizada nos principais corredores de BH, como as avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado, Pedro II e Amazonas. "Na Nossa Senhora do Carmo, algumas medidas são bem-vindas, mas não há demanda de um investimento mais radical, comparativamente a outros corredores", diz.
   
Ele defende projetos operacionais com a prioridade para a circulação de transporte público a exemplo do que foi feito no início da Nossa Senhora do Carmo, como a criação de faixas exclusivas e melhoria dos abrigos para passageiros. "Fazer intervenções em área construída é complicado, mas valeria o esforço da BHTrans para dar um tratamento com conforto a quem enfrenta o trânsito na Savassi. Isso não é desculpa para deixar o metrô em segundo plano. Outras soluções são bem-vindas, mas são paliativas. As pessoas não estão pensando no custo que a cidade está pagando por não ter o metrô. Política pública não pode pensar em viabilidade econômica. Transporte tem de ser pensado como política estratégica", destaca.
   
COPA DO MUNDO A prefeitura da capital estuda implantar o BRT em sete vias da capital. A medida é um dos pontos de melhoria na mobilidade urbana para atender as exigências da Fifa para a Copa do Mundo de 2014. Além da Nossa Senhora do Carmo, a adaptação do transporte coletivo nos moldes do chamado "trem sobre rodas" é estudada para ser implantada nas avenidas Pedro I e Antônio Carlos (que constituiriam um ramal), Cristiano Machado, Carlos Luz e Pedro II (linha conjunta) e Amazonas.
   
Mas, tanto a Nossa Senhora do Carmo quanto a Amazonas terão de esperar. Até agora, somente os outros corredores têm dinheiro assegurado. Por meio de uma linha de crédito do governo federal para obras de mobilidade nas 12 cidades-sede da Copa, a Caixa Econômica Federal vai liberar R$ 1 bilhão para a implantação do BRT na Antônio Carlos, Pedro I, Cristiano Machado e Pedro II-Carlos Luz e adaptação de vias no Centro. O diretor de Planejamento da BHTrans, Célio Freitas, informou que a PBH vai buscar recursos na segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) ou outra forma de financiamento.
   
Em fevereiro, começaram os estudos para o ramal Antônio Carlos e Pedro I. Concluídos os projetos, será contratada empreiteira para execução das obras. Em março, a BHTrans abriu concorrência para contratar empresa de engenharia para prestar os serviços de consultoria especializada para implantação do BRT na Cristiano Machado. As propostas foram abertas semana passada. Depois da seleção, o estudo deverá ser entregue em nove meses. A expectativa da prefeitura é de que o contrato seja assinado em maio. Já os envelopes dos interessados no projeto da Pedro II-Carlos Luz serão abertos terça-feira que vem.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Novos pontos de ônibus na Avenida Antônio Carlos



  • Assessoria de Comunicação e Marketing da BHTRANS, 29/3/2010

  • Implantados 20 pontos de ônibus na busway, nos dois sentidos, cada um  receberá abrigo para proteção dos usuários 

    O Governador do Estado de Minas Gerais, Aécio Neves, e o Prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, convidam para a cerimônia de liberação da duplicação do trecho de 2,2 km da Avenida Presidente Antônio Carlos e obras nas intereseções das ruas dos Operários, Araribá e Rio Novo. A cerimônia será realizada no dia 30/3 (terça-feira), a partir das 9h30.

    A BHTRANS irá liberar o tráfego de veículos no trecho da avenida, entre as ruas Jequitaí e o Complexo da Lagoinha. Com a liberação, o embarque e desembarque de passageiros serão realizados na pista exclusiva para ônibus (busway), com a transferência de grande parte dos pontos para a pista central, de acordo com nova distribuição das linhas. Serão implantados 20 pontos de ônibus na busway, em ambos os sentidos, e cada um deles receberá abrigo para proteção dos usuários. Também serão implantadas seis novas travessias de pedestres semaforizadas, além de gradis, para proporcionar mais segurança e tranquilidade à população. 

    Durante os primeiros dias, após a liberação do tráfego, serão realizadas ações educativas para orientar pedestres e motoristas sobre a importância de respeitar a sinalização, enfatizando a travessia segura pela faixa de pedestre. Monitores da BHTRANS irão atuar informando os usuários do transporte coletivo sobre a nova localização dos pontos de ônibus na busway. No dia 30/3, 45 agentes da Unidade Integrada de Trânsito irão realizar a operação de liberação da avenida. O tráfego na região continuará sendo monitorado pelos agentes nos dias posteriores.

    Serão instaladas faixas de pano e sinalização para orientar os motoristas e garantir segurança aos passageiros, pedestres e condutores. A empresa alerta para a importância de os motoristas redobrarem a atenção à sinalização implantada. Informações sobre o Transporte Coletivo podem ser obtidas na Central de Atendimento Telefônico da BHTRANS, pelo número 156, ou no portal da empresa www.bhtrans.pbh.gov.br.

    Veja orientações da campanha educativa para os pedestres e motoristas

    Atenção Pedestres Com a mudança dos pontos de ônibus para a busway é importante que o pedestre redobre a atenção quando for realizar a travessia. O trânsito na pista exclusiva para ônibus acontece nos dois sentidos. Atravesse pela faixa de pedestres e aguarde a sua vez no semáforo. O primeiro passo para um trânsito mais seguro na cidade é o respeito à sinalização.

    Mais segurança para o pedestre

     Atravesse na faixa de pedestre ou na passarela mais próxima.
     Onde não houver faixa de pedestre, procure um lugar seguro para atravessar.
     Antes de atravessar, é mais seguro esperar no passeio, e não na rua.
     Sempre olhe para os dois lados antes de atravessar
     Falar ao celular ou correr na rua aumenta o risco de acidentes.
     Não pule o gradil, ele existe para a sua segurança.
     Ajude crianças, idosos e pessoas com dificuldadesde locomoção a atravessar as ruas.

    Seja um condutor consciente

     Motoristas e motociclistas são sempre responsáveis pela segurança dos pedestres.
     Onde houver faixa de pedestre e não houver semáforo, a preferência é do pedestre.
     Respeite a faixa de retenção, ela não deve ser ultrapassada.
     Aguarde o pedestre terminar a travessia para você seguir em frente.
     Reduza a velocidade em locais com muita gente.
     Parar ou estacionar sobre a faixa de pedestre aumenta o risco de acidentes.
     O passeio é destinado para locomoção de pedestres, e não para estacionamento de veículos.

    Assessoria de Comunicação e Marketing da BHTRANS, 29/3/2010 



http://zrak7.ifrance.com/bh-bus.pdf