domingo, 28 de junho de 2015

Itatiaiuçu, na Grande BH, adota 'tarifa zero'

25/06/2015 - Estado de Minas

Itatiaiuçu, cidade de 9 mil habitantes, é o quarto município mineiro a optar pelo sistema. Quatro linhas vão atender a população de baixa renda a partir de 1º de julho

Bruno Freitas

Ônibus comprados pela Prefeitura custaram R$ 196,5
Ônibus comprados pela Prefeitura custaram R$ 196,5 milhões
créditos: Prefeitura de Itatiaiuçu/Divulgação
 
Em caminho oposto a Belo Horizonte, onde as empresas de ônibus alegam prejuízo acumulado de R$ 268,7 milhões nos últimos cinco anos e pedem revisão da tarifa de R$ 3,10, mais uma cidade mineira adere à tarifa zero. Até então servida apenas por ônibus intermunicipais, Itatiaiuçu, polo minerador na Grande BH, terá transporte coletivo gratuito a partir de 1º de julho. O município de 9.292 habitantes, a 70 quilômetros da capital, é o quarto de Minas Gerais a conceder o benefício que dispensa o pagamento da passagem, depois de Monte Carmelo (Triângulo Mineiro), Muzambinho (Sul de Minas) e Abaeté (Centro-Oeste) – todas cidades de pequeno porte.
 
Em Itatiaiuçu serão quatro linhas que percorrerão o perímetro urbano e interligarão distritos ao Centro, em três horários (manhã, almoço, tarde), a partir de um período inicial de testes de seis meses. A intenção do serviço, afirma o secretário de Transportes e Vias Públicas de Itatiaiuçu, Valmir Barbosa dos Santos, é atender a população de baixa renda, que trabalha e depende do transporte. Para a operação foram adquiridos quatro micro-ônibus novos de 22 lugares, equipados com câmera e elevador para portadores de necessidades especiais. Cada veículo custou aos cofres públicos R$ 196,5 mil. Os motoristas contratados finalizam a fase de treinamento e assimilação do itinerário, enquanto são demarcados os pontos de ônibus nas ruas. "Muita gente que anda de ônibus ganha salário mínimo. O planejamento é atender 100% das áreas urbana e rural", afirma Santos. Três das quatro linhas atenderão distritos de Itatiaiuçu: Pedras, Alfredo Campos, Povoado de Chaves, Ponta da Serra, Santa Terezinha, Vieiras e Pinheiros.
 
Apesar da crise econômica e a necessidade de corte de custos nas prefeituras, Santos sustenta que a tarifa zero é necessária e já constava no planejamento de mandato do prefeito Matarazo José da Silva (PV), o Dr. Matarazo, que assumiu Itatiaiuçu em janeiro. O custo estimado da tarifa zero na cidade é de R$ 52 mil mensais (1,5% da arrecadação anual do município), mesmo valor gasto pela Prefeitura de Muzambinho."Houve esse planejamento desde o início do mandato e ele segue as obras e ações nas áreas de saúde e educação. O município tem um know-how de obras muito grande e todas com dinheiro próprio", sustenta o secretário.
 
Nas outras três cidades mineiras onde há tarifa zero, a experiência, ao menos em tese, tem funcionado. Em Monte Carmelo, com cerca de 45 mil habitantes, a frota de cinco ônibus foi renovada com veículos seminovos há cerca de dois anos. A diminuição do custo de manutenção (cerca de 3% do orçamento) possibilitou a criação de uma quinta linha para atendimento ao câmpus da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Os ônibus circulam em quatro faixas de horário (das 6h às 8h30, das 11h às 14h, das 17h às 19h30 e das 22h à 00h30), enquanto a linha de estudantes da UFU funciona durante todo o dia (das 6h às 18h30). "Como os ônibus mais novos gastam menos, o custo de manutenção diminuiu. Conseguimos colocar outra linha com orçamento próximo", conta o secretário de Obras e Transportes, Divino Batista Ramos.
 
DEMANDA NECESSÁRIA
Embora afirme estar com o caixa no vermelho, o prefeito de Muzambinho, Ivan de Freitas (PSDC), diz manter a tarifa zero por "transportar pessoas que realmente precisam". No município de pouco mais de 20 mil habitantes, dois ônibus da prefeitura percorrem duas linhas com quatro horários diários cada. "Continuamos com o serviço enquanto aguentarmos. Todas as prefeituras estão quebradas. Por menor que fosse a tarifa, o ônus seria grande. Entendo que esse deveria ser um custo do usuário, mas, em Muzambinho, o usuário não pode pagar", sustenta Freitas.
 
A gratuidade também se mantém em Abaeté, com cerca de 22 mil habitantes. A cidade conta com apenas uma linha entre os bairros São João e São Pedro, que opera de segunda a sábado, das 5h45 às 19h, com dois coletivos.
 
Além das cidades mineiras, também há gratuidades no transporte de Agudos e Potirendaba, no interior de São Paulo, Porto Real e Maricá (RJ), e Ivaporã (PR).
 
LINHAS DISPONIBILIZADAS 
• Pedras (zona rural) x Alfredo Campos x Rio São João x Povoado de Chaves x Ponta da Serra x Centro
• Santa Terezinha (zona rural) x Pio XII x Centro
• São Francisco x Robert Kennedy x Centro x São Francisco
• Vieiras (zona rural) x Pinheiros x Centro

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Prefeitura de BH libera licitação de 300 permissões para ônibus suplementares

17/06/2015 - R7

Decreto foi publicado no Diário Oficial do Município na última segunda-feira (15) e prevê ainda cadastro RESERVA de até 30 classificados
 
Mais ônibus circularão nas ruas de BH
Mais ônibus circularão nas ruas de BH
créditos: Flickr/PBH
 
O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, autorizou, na última segunda-feira (15) a BHTrans a fazer licitação para 300 novas permissões de Serviço Público de Transporte Coletivo Suplementar de Passageiros. O decreto foi publicado no DOM (Diário Oficial do Município). Foi liberado ainda o cadastro RESERVA de até 30 classificados.
 
A decisão ressalta que o serviço será executado exclusivamente por pessoas selecionadas através do processo licitatório. O contrato deve durar até 14 de novembro de 2028 e é proibida a liberação de mais de uma permissão por pessoa. Os veículos deverão ter capacidade para transportar de 22 a 24 passageiros sentados, além daqueles admitidos em pé.
 
A BHTrans é responsável pela organização e fiscalização do serviço, especificando a política tarifária, itinerários, intervalos máximo entre viagens número máximo de passageiros em pé por metro quadrado e pontos de embarque e desembarque de passageiros, bem como as regras do período de transição entre o sistema atual e o futuro que resultará da licitação.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Prefeito de Uberaba prevê inaugurar 2ª etapa do BRT no 1º semestre de 2016

10/06/2015 - Jornal da Manhã - Uberaba/MG

Próxima etapa do BRT de Uberaba está prevista para entrar em funcionamento no primeiro semestre de 2016. O cronograma previsto é do prefeito Paulo Piau (PMDB), explicando que os projetos técnicos estão prontos e o próximo passo será a abertura licitação para as obras de implantação dos dois novos corredores de transporte coletivo.

Piau acredita que o processo licitatório deve ser finalizado no prazo de quatro meses se não houver interrupções no andamento da concorrência. Desta forma, a emissão da ordem de serviço deve ser feita ainda este ano. De acordo com o prefeito, após a implantação dos corredores Sudeste e Sudoeste, o novo sistema de ônibus estará completo e os usuários poderão observar efetivamente as melhorias no transporte coletivo. Com isso, ele espera que o número de passageiros aumente.

O chefe do Executivo acrescenta também que os projetos dos dois novos corredores serão divulgados a partir da próxima semana e discutidos com a comunidade dos bairros envolvidos. A medida, segundo ele, é para diminuir a resistência dos comerciantes das outras regiões, que vêm aderindo às críticas dos lojistas do centro da cidade.

Ao todo, R$40 milhões estão assegurados no PAC para viabilizar a implantação da segunda etapa do BRT. O eixo Sudoeste vai atender aos bairros Beija-Flor e Pacaembu, com terminal a ser construído na rua Juca Pato. Já o trecho Sudeste sai da avenida Guilherme Ferreira, passa pela Nelson Freire e segue até o terminal que será implantado no bairro Costa Teles.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Estações do BRT/Vetor Sudoeste adotarão tecnologia sustentável

07/06/2015 - Jornal da Manhã - Uberaba/MG

Segundo o secretário de Planejamento, arquiteto urbanista Marcondes Nunes de Freitas, os novos corredores do sistema BRT (Sudeste e Sudoeste) estão enquadrados dentro de projetos elaborados com base nos mais modernos conceitos de engenharia e arquitetura e em nada lembram o projeto implantado na avenida Leopoldino de Oliveira. Uma das novidades é relacionada às Estações. Segundo Freitas, as novas estações serão retangulares em estrutura metálica com vidros planos, que poderão ser adquiridos no comércio local. Além disso, foram projetadas algumas soluções de sustentabilidade, tais como: o reuso da água de chuva para limpeza das estações, telha termoacústica (reduz calor interno), ventilação cruzada (vidros móveis) etc.

O sistema de climatização proposto prevê a melhor distribuição do ar refrigerado, através de evaporadoras no teto, o que trará mais conforto aos usuários. "O projeto conta ainda com outras novidades, que serão reveladas apenas quando da apresentação pública para mostrar o quanto o projeto atual se difere do antigo e que foram estudadas várias alternativas para minimizar os impactos normalmente causados pela implantação dos corredores do BRT", disse Marcondes Freitas.

O secretário explica ainda que o prefeito determinou algo totalmente novo para que os erros do projeto anterior não fossem repetidos, portanto, a comunidade vai perceber nitidamente a diferença. Um dos exemplos de trabalho desenvolvido neste projeto diz respeito à reestruturação do pavimento ao longo do corredor exclusivo do ônibus Vetor, baseado nos levantamentos e sondagens realizadas no asfalto existente.

Nos locais de maior frenagem, como em frente às estações, conforme informa o secretário, o piso será em concreto armado, bem como nas pistas internas dos terminais e nas áreas de manobras adjacentes aos mesmos. As medidas visam a evitar a ocorrência dos problemas ocorridos no asfalto do BRT Leste/Oeste (avenida Leopoldino de Oliveira). Neste projeto também não serão utilizados os tachões, separando a faixa de rolamento de ônibus das outras, utilizando um novo conceito como em autoestradas, que é a pintura termoplástica em alto relevo

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Juiz de Fora ganha programa de wifi gratuito em vias públicas

02/06/2015 - O Globo

JUIZ DE FORA — A partir de junho, entra no ar o projeto JF+Digital, de sinal de internet sem fio, gratuito, em espaços públicos de Juiz de Fora. O Parque Halfeld, no Centro, será o primeiro a ter o serviço. Está previsto ainda o sinal wi-fi nas praças Coronel Geremias Garcia, Benfica, Manoel Honório, Armando Toschi, Antônio Carlos e da Estação; no Centro de Artes e Esportes Unificados; e nos calçadões das ruas São João, Rua Halfeld, Mister Moore e Marechal.

Em cada ponto instalado, 150 usuários poderão ter acesso simultâneo à internet com uma velocidade mínima de 128 kbps. Será permitido a cada usuário o acesso de até duas horas de navegação por dia.

— Nosso objetivo é ampliar o número de pontos. A prefeitura trabalha para que outros bairros da cidade sejam atendidos e entrem no projeto. Desejamos a inclusão digital — diz o prefeito, Bruno Siqueira, que investe na tecnologia em, pelo menos, três outros programas de sua gestão.

Foi instalado GPS em toda a frota de transporte coletivo da cidade que, com isso, agora faz parte da base de dados do CittaMobi, aplicativo para celular que monitora e informa o horário certo de cada ônibus.

A lógica de gerenciamento remoto do trânsito também se aplicou na concepção do Área Azul Digital. O novo sistema de estacionamento rotativo pago permite ao usuário adquirir os créditos de estacionamento por smartphone, tablet ou site, além de parquímetros.

— O sistema beneficia o cidadão tanto pela praticidade quanto pela garantia de rotatividade. Hoje existe maior facilidade em encontrar vagas — acrescenta Siqueira.

Além disso, a prefeitura continua ampliando o projeto Olho Vivo, de MONITORAMENTO por câmeras. Já existem 54 equipamentos de vigilância eletrônica espalhados por diversos pontos da cidade.

Teste do wi-fi nos ônibus de Niterói: embarcamos nas linhas municipais que oferecem o serviço

Cada vez mais atualizado por aplicativos e tecnologias, o celular se tornou passatempo favorito em ônibus e filas de espera. E quem nunca ficou sem bateria no momento que mais precisava? Em Niterói, quem utiliza os ônibus das linhas 30, 47 e 47-A e 47-B, da Viação Araçatuba, tem menos chances de passar por esse problema. Parte dos ônibus das três linhas municipais oferece entradas USB para carregar aparelhos e, ainda, o serviço de conexão wi-fi gratuito.

A equipe do GLOBO-Niterói embarcou em cinco coletivos que contam com o sistema para testar o serviço. Embora nem todos tenham funcionado, os passageiros aprovam a novidade.

O trajeto percorrido foi o mesmo em todas as viagens: Icaraí-Centro-Icaraí. Nem todos os assentos contam com a entrada USB — ela está disponível em cerca da metade deles —, mas em todos os veículos testados o sistema funcionou sem problemas. E não há briga pelos encaixes, porque cada banco tem duas entradas. Mas só consegue carregar o celular quem anda com o cabinho no bolso, pois nos ônibus há apenas a tomada. A outra vantagem de embarcar nos veículos mais modernos da frota é a de que todos eles são refrigerados e parte tem TV.

QUEBRA-GALHO ITINERANTE

A conexão via wi-fi é um pouco mais problemática. Nos cinco veículos testados, ela não funcionou em dois deles. Nos outros três, a rede funcionou, embora instável. Com fones nos ouvidos e o celular conectado ao ônibus pelo cabo USB e pelo wi-fi, o estudante Emanuel Miranda, de 18 anos, seguia do Terminal Rodoviário, no Centro, até um curso em Icaraí. Embora disponha de grande número de linhas para o trajeto, ele não abre mão de subir no 47 e diz que as modernidades já o ajudaram em algumas situações:

— Entrei no ônibus para ir ao curso e, assim que conectei o celular, chegou a mensagem informando que eu não teria aula naquele dia. Se não fosse o wi-fi, eu teria ido até lá à toa, porque estava sem plano de internet.

Ao longo das viagens, o desempenho da conexão móvel oscilava entre trechos com boa velocidade e algumas quedas, mas foi possível acessar websites e navegar por redes sociais. Ouvir músicas pela internet, no entanto, era quase impossível. Falhas na conexão frequentemente interrompiam o áudio. Apesar disso, a estudante Natasha Pessoa, de 22 anos, bem-humorada, cita o ditado "para quem não tem nada, metade é o dobro."

— As vezes funciona, outras vezes não. Mas a primeira coisa que faço ao entrar no 47 é tentar conectar ao wi-fi — conta a estudante, que lembra algumas situações úteis. — Em períodos de provas, aproveito para ler alguns textos no celular, no caminho até a UFF.

LONGE DA META REFRIGERADA

De acordo com o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj), Niterói tem 20 ônibus com wi-fi: dez da Viação Araçatuba e outros dez da Auto Lotação Ingá. A instalação da tecnologia não está prevista por contrato, foi uma iniciativa das empresas. O que está previsto por decreto, no entanto, é que 90% da frota de ônibus da cidade devem ser equipada com ar-condicionado até o fim de 2016.

Embora longe da meta, a frota de ônibus refrigerada expandiu rapidamente nos últimos anos. Em 2013, apenas 18% tinham ar-condicionado. Em 2014, a percentagem subiu para 32,01%. Atualmente, segundo dados da Setrerj, o total da frota refrigerada chega a 39,01%: são 158 veículos no Consórcio Transoceânico e 181 no Consórcio TransNit.