terça-feira, 7 de abril de 2015

Belo Horizonte: Sem falhas

07/04/2015 - Aqui - MG

Em uma nova tentativa de evitar problemas na abertura de portas das estações do Move em Belo Horizonte, 31 garagens de ônibus que operam no sistema estão recebendo um equipamento capaz de detectar se o sinal de identificação por rádio frequência – instalado nos veículos para acionar as portas dos terminais – funciona corretamente.

Para que os usuários que aguardam nas estações do Move possam acessar os ônibus, é necessário que o motorista de cada veículo acione o sistema de Identificação por Radio Frequência (RFID, na sigla em inglês) para a abertura automática das portas. A medida visa evitar acidentes, mas foram registrados problemas na emissão do sinal, o que faz com que os terminais permaneçam fechados mesmo com a chegada do transporte. Para solucionar a falha, o Consórcio Operacional do Transporte Coletivo de Passageiros por Ônibus do Município de Belo Horizonte (Transfácil) vai equipar cada garagem com um um receptor exatamente igual aos instalados nas 480 portas do BRT na capital.

Colocados no portão de saída das garagens, o receptor emite um sinal luminoso verde toda vez que o sistema de Identificação por Radio Frequência é acionado pelo condutor de um dos ônibus. Assim, é possível saber se há algum tipo de falha que impeça o funcionamento adequado das portas nos terminais. Caso seja detectado problema, o veículo será impedido de circular e só voltará a fazer viagens depois que tudo for corrigido.

Vandalismo

A medida é anunciada 11 dias depois de o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra) concluir a manutenção nas 480 portas do Move na capital. No dia 26 de março, todas funcionavam corretamente, mas desde então, foi registrada uma média de uma porta com defeito por dia. Segundo o sindicato, nestes casos o problema teve origem em atos de vandalismo. Na maior parte das ocorrências, a entrada nos terminais parou de funcionar devido ao descarrilhamento das portas.

Para evitar que o dano ao patrimônio impacte no uso dos terminais, uma equipe formada por oito funcionários trabalha na manutenção do sistema.