quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Terminais de mobilidade em Uberaba devem operar a partir do meio do ano

21/01/2013 - G1 Triângulo Mineiro

Afirmação é do secretário de insfraestrutura, José Donizete Melo. Secretaria tem encontrado dificuldades para a conclusão das obras
Os terminais leste e oeste do projeto de Mobilidade Urbana em Uberaba, que tinha a previsão de começar a operar em dezembro do ano passado, devem começar a funcionar a partir da metade deste ano. A afirmação é da Secretaria de Infraestrutura do município que tem encontrado dificuldades para a conclusão das obras. Além disso, os trabalhos estão causando transtornos para os motoristas da cidade.

Segundo o secretário de Infraestrutura, José Donizete Melo, a rede da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) também está entre um dos complicadores das obras, pois não foi retirada. "Tem que cumprir esta demanda em um prazo de 90 a 120 dias com a Cemig. Nós estamos com esse prazo em curso, mas enquanto ela não fizer a remoção da rede, que está no meio da obra, não é possível colocar a estrutura metálica", disse o secretário.

O projeto prevê ainda estações ao longo da Avenida Leopoldino de Oliveira. Das doze, três estão em fase de licitação e ainda não foram compradas. A instalação das que chegaram também não foi concluída e algumas delas foram depredadas.

No terminal oeste, o problema seria a chuva que não deixou o solo se firmar, mas, de acordo com o secretário, o trabalho não depende só da engenharia. "Se fosse só a engenharia de três a quatro meses seria possível terminar. Mas depende de terceiros, como a Cemig e outras remoções. Eu acredito que isso vai se prorrogar até o mês de junho", salientou.

Do outro lado
No terminal leste, desde o começo das obras, os motoristas reclamam que falta sinalização no trecho da Avenida Nilza Maques Guaritá que teve uma mão interditada. "Eu mesmo quase bati com o carro. Está impossível de passar por aqui", reclamou o pedreiro Murilo Souza. Os motoristas que passam pela Rua Tulipas reclamam que precisam esperar até conseguir entrar na avenida e pela contramão. "Isso não funciona, pois, tem dia que você fica meia hora para sair do bairro", disse o motorista José Antônio.

Segundo o secretário, os motoristas devem ter mais atenção, no entanto, garantiu que o local será estudado. "A partir do momento que a gente liberou a outra pista ficou caracterizado para os motoristas que o local está seguro para tráfego. Nós temos três postes em uma região de perigo e pode fazer o usuário entender que está fácil de circular e gera mais acidentes. Entretanto, de qualquer forma, vamos pedir um novo estudo do departamento de trânsito", concluiu.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Em BH, Terminais metropolitanos serão integrados ao sistema BRT na capital

31/01/2013 - Estado de Minas

Imagine gastar, de ônibus, 30 minutos de Contagem ou Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, até o Centro da capital, e também tirar 160 ônibus de circulação do Hipercentro em horário de pico. Isso é o que promete o governo do estado, que anunciou ontem a construção e reforma de 13 terminais de ônibus na Grande BH. Além dos três municípios, haverá estações em Vespasiano, Ribeirão das Neves, Ibirité e Sarzedo. A previsão é de que o novo sistema de transporte metropolitano, que vai custar R$ 187 milhões, comece a operar no início do ano que vem e esteja concluído até o fim de 2014. O projeto, na capital, prevê a reforma dos terminais de integração Vilarinho, São Gabriel e da atual rodoviária e a construção do terminal Bernardo Monteiro, na região hospitalar.


Em vez de ir de ônibus direto dos bairros para o Centro de BH, os passageiros vão, com linhas convencionais, até os terminais metropolitanos de integração. Lá, eles vão embarcar em linhas especiais que podem ou ir direto até o Centro da capital, em linhas expressas, ou parar ao longo do caminho, em linhas semiexpressas. Sete dessas estações vão ser integradas ao sistema do BRT (transporte rápido por ônibus) da capital mineira, em implantação nos corredores das avenidas Antônio Carlos e Pedro I e Cristiano Machado, exclusivos para os coletivos.

Mas, mesmo aqueles terminais que não forem vinculados ao BRT já adotarão características desse sistema, como o pagamento da passagem antes de usar o transporte, além do embarque em nível – sem que seja necessário subir degraus para entrar no veículo. As estações vão contar com painéis informatizados, atualizados com os horários de chegada e partida de cada linha. Os terminais integrados ao BRT contarão ainda com ônibus articulados, com maior capacidade de passageiros. "A conurbação metropolitana que se espalha sem controle apresenta uma nova realidade. Com a licitação e as obras de 13 terminais de ônibus, vamos permitir uma mobilidade urbana melhor", afirmou o governador Antonio Anastasia.

Fluidez

Atualmente, a rede metropolitana de transporte conta com 740 linhas e 3 mil ônibus. A estimativa é de nos horários de pico 1 mil ônibus metropolitanos circulem no Centro de BH. Com as mudanças, esse número deve cair 16%, passando para 840 veículos, de acordo com a Secretaria de Estado de Transporte e Obras Públicas (Setop). Outra vantagem do sistema, que vai atender uma média diária de 700 mil usuários, é que haverá linhas que ligarão um terminal a outro. Quem sai de Contagem, por esemplo, poderá chegar ao terminal São Gabriel sem a necessidade de trocar de ônibus no Centro de BH

O sistema vai permitir encurtar os percursos dos municípios do entorno até a capital, ganhando agilidade. Sem as linhas antigas que vinham para BH, a previsão é de aumentar em cinco vezes a oferta de ônibus dentro das cidades da RMBH. O prefeito de Santa Luzia, Carlos Alberto Calixto, recebeu com animação a notícia da construção dos terminais. "Mais de 70 linhas saem hoje de Santa Luzia e causam grande transtorno na Linha Verde. São pelo menos dois quilômetros de coletivos apenas de Santa Luzia. Durante o dia, essas linhas funcionam ociosas", disse.

O projeto dos terminais metropolitanos de integração prevê também o investimento de R$ 200 milhões pelas empresas concessionárias de ônibus para a compra de ônibus adequados às novas estações. Serão adquiridos 150 veículos, todos com ar-condicionado, GPS, painéis informativos e avisos sonoros para orientar passageiros sobre as paradas. De acordo com o presidente da BHTrans, Ramon Victor Cesar, por enquanto as estações metropolitanas serão separadas das linhas municipais. "Enquanto não houver a integração tarifária não podemos unificar as passagens", explicou.

As novas estações

BH
» São Gabriel*
» Terminal Rodoviário Governador Israel Pinheiro (Tergip)*
» Bernardo Monteiro*

Contagem
» Darcy Ribeiro
» Cidade Industrial
» São Joaquim

Vespasiano
» Morro Alto*

Santa Luzia
» São Benedito*

Ribeirão das Neves
» Jardim Colonial*
» Justinópolis*

Ibirité
» Ibirité

Sarzedo
» Sarzedo

* Terminais vinculados ao BRT

Enquanto isso, consulta prorrogada

Foi prorrogada até 5 de março a consulta pública aberta em dezembro para ouvir a comunidade e os interessados na parceria público-privada (PPP) para a construção do metrô. O processo estava previsto para ser encerrado em janeiro. Ontem, o governador Antonio Anastasia disse acreditar que a PPP terá muitos interessados e que, pelo cronograma, parte da operação do metrô já se daria talvez no início do ano que vem. Com a prorrogação da consulta, no entanto, os atrasos se propagam na abertura da licitação e no início das obras das três linhas, orçadas em R$ 3,1 bilhões. Sobre o trecho da Linha 3 (Savassi/Lagoinha), o governador foi mais realista com o cronograma. "A linha subterrânea, que vai passar sob Centro da cidade, essa, até pela dimensão, vai demorar um pouco mais", afirmou o governador. Comentários e sugestões para a consulta pública podem ser enviados para metrormbh@transportes.mg.gov.br.