quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Obra do Move inacabada no Bairro Santa Efigênia vira estacionamento irregular

25/02/2015 - Estado de Minas

Terra sem dono passou a ser o nome dado por comerciantes, empresários e pedestres à Avenida Bernardo Monteiro, no trecho entre as avenidas Francisco Sales e Andradas, na Região Centro-Sul de BH. Os dois quarteirões no Bairro Santa Efigênia – que abrigam funerárias, estacionamentos, restaurantes, empresas, clínicas médicas e dão acesso a importantes unidades de saúde da Área Hospitalar – foram transformados em um canteiro de obras para construção do Terminal Move Metropolitano Bernardo Monteiro. As intervenções começaram em abril do ano passado, mas, no segundo semestre, as máquinas e operários paralisaram os trabalhos, o que deu início a uma série de problemas.

A via teve o asfalto e o canteiro central arrancados, árvores cortadas e hoje está com chão de terra batida, gerando poeira e lama. Repleta de buracos e sem nenhuma regra de trânsito, o trecho da avenida ainda tem as placas indicativas de estacionamento rotativo, mas tornou-se ponto para parada de ônibus de sistemas de saúde de cidades do interior e de veículos particulares, que estacionam à revelia de qualquer norma ou de fiscalização. Com a desordem no trânsito, o movimento de carros e pedestres caiu e comerciantes acumulam perdas de até 80% nas vendas. A situação abriu espaço também para a violência. Lojistas se queixam de roubos e dizem que bandidos passaram a rondar o local. Alguns já procuraram advogados e prometem acionar a Justiça para reparação de danos.

Gerente da Funerária Santa Casa, Jeferson Florêncio diz que a empresa nunca passou por um momento econômico tão difícil. "Desde julho, tivemos que demitir 38 dos nossos 185 funcionários. As vendas caíram 40%", disse. Ainda segundo ele, a loja, que funciona 24 horas, já foi alvo de dois assaltos. "À noite, a avenida vira um deserto, uma terra sem dono que se torna um prato cheio para criminosos", afirma o gerente, que cobra a presença policial no local. A poucos metros dali, a direção do Restaurante Simplesmente viu as 200 refeições vendidas diariamente reduzirem em mais de 70%. "Já estamos pensando em fechar", afirmou o gerente, Marcos Ferreira Costa. A queda nas vendas também fez os donos da Funerária Carvalho reverem os negócios.

SEGURANÇA

A Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), responsável pelas intervenções, não informou o motivo da suspensão das obras do terminal e nem quando serão retomadas. Por meio de sua assessoria de imprensa, se limitou a afirmar que a obra, orçada em R$ 10,4 milhões, foi paralisada antes do fim do ano passado e que, atualmente, o governo de Minas realiza amplo levantamento da situação administrativa e financeira do estado, o que inclui ações relativas às áreas de transportes e obras públicas. Ainda segundo a pasta, o levantamento será feito por 90 dias, contados a partir do início da nova administração. Em relação à segurança, a Polícia Militar prometeu reforço. De acordo com o major Renato Félix Federici, comandante da 3ª Companhia da PM, responsável pelo patrulhamento na região, ele irá ao local hoje para averiguar a situação junto aos comerciantes. "Vamos tomar conhecimento das condições no local e aumentar a presença policial", garantiu.

Passageiros reclamam de escadas rolantes estragadas na Estação do Move Pampulha

Leitores do em.com.br dizem que as escadas não funcionam há várias semanas. BHTrans informou que o problema já está sendo resolvido

Quem passa diariamente pela Estação do Move na Pampulha enfrenta constantes problemas ao acessar as escadas rolantes para sair do terminal a pé ou mesmo embarcar em outro ônibus para prosseguir viagem. De acordo com passageiros, nos últimos dias as escadas não estão funcionando corretamente, e o que seria um serviço para facilitar o acesso das pessoas, se tornou um problema para o fluxo.

O leitor Leonardo de Souza Soares, enviou um vídeo ao em.com.br nesta terça-feira, que mostra as pessoas descendo as escadas estragadas, enquanto a que dá acesso ao andar de cima funciona normalmente. Ainda conforme Leonardo, isso acontece com frequência na Estação do Move na Pampulha e em horários de pico causa confusão no local.

Segundo a BHTrans, que administra as estações do transporte coletivo em Belo Horizonte, das quatro escadas rolantes da Estação Pampulha, três estão funcionando. Uma delas parou ontem (segunda-feira), mas no mesmo dia foi acionada a empresa responsável pela sua manutenção e, em breve, o problema será solucionado.

Estação São Gabriel

No início da tarde de segunda-feira, cinco adultos e uma criança ficaram presas na Estação São Gabriel do Move, na Regional Nordeste de Belo Horizonte. De acordo com o Corpo de Bombeiros, a assistência técnica do terminal foi acionada para resolver o problema e ninguém ficou ferido. Aproximadamente 20 minutos depois, os passageiros foram retirados do elevador.

Em nota, a BHTrans informou que a empresa contratada para manutenção preventiva e corretiva do elevador da Estação São Gabriel já foi notificada e está ciente das últimas ocorrências no equipamento. Já foi identificada a falha e, em função da dimensão do equipamento necessário e da disponibilidade dos componentes por parte dos fornecedores, a manutenção definitiva já foi programada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário