quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

BHTrans põe lonas nas estações do Move para amenizar goteiras

Além de serem alvo de vandalismo e mau funcionamento das portas, três estações do Move estão com plástico no teto para amenizar goteiras, o que revoltou usuários

07/01/2015 - Estado de Minas

Guilherme Paranaiba


Estação Sagrada Família foi uma das que ganharam a lona: medida "emergencial", segundo a BHTrans

Os problemas na estrutura do transporte rápido por ônibus (BRT, na sigla em inglês) em Belo Horizonte não param de surgir. Antes de o sistema completar o seu primeiro aniversário, em março, as razões para lamentar aparecem o tempo todo. Depois dos transtornos com vandalismo, entre pichações e danos generalizados, e mau funcionamento das portas automáticas, conforme mostrou o Estado de Minas em dezembro, um acessório azul pouco convencional está chamando a atenção de quem passa pela Avenida Cristiano Machado. A BHTrans precisou colocar lonas plásticas no teto de três estações de transferência de passageiros do corredor para amenizar goteiras no interior dos terminais. A situação revoltou a população. Por outro lado, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de BH (Setra/BH) começou ontem a colocar cerca de 200 portas com defeito nas estações para funcionar. O objetivo é resolver o problema das entradas e saídas que não sincronizam com a chegada dos ônibus e estão ficando o tempo todo abertas. 

Saiba mais

BHTrans adia licitação para limpeza e supervisão das estações do BRT/Move
Estação do BRT/Move opera com portas danificadas na Pampulha
Correção: BHTrans vai lançar licitação para mudar sistema de abertura de portas das estações do Move
Mais de 62% das portas de estações do Move estão estragadas e ficam abertas

Inicialmente, a lona foi colocada em três cabines das estações Ouro Minas, São Judas Tadeu e Sagrada Família, mas na Ouro Minas o acessório já foi retirado. Nos outros dois terminais, o plástico para evitar goteiras assustou a população. Acostumado a usar a Estação Sagrada Família, o motorista Décio Morais, de 56 anos, afirma que quando chove é comum o chão ficar encharcado. "O que incomoda é que foi gasto muito dinheiro para ficar dessa forma. Imagina se uma pessoa mais velha escorrega no piso molhado?", questiona ele. O eletricista Wellington Mariano, de 44, se assustou. "Fiquei espantado porque é uma construção bem nova já com cara de gambiarra", afirma.

Apesar de não terem sido encontradas lonas em outras estações, uma das funcionárias que trabalha na Estação Aparecida da Avenida Antônio Carlos disse que as goteiras também aparecem frequentemente. "Quando chove é quase impossível trabalhar, pois molha toda a cabine de venda de passagens. Além disso, a luz do banheiro está com problema e fica um verdadeiro breu", diz ela, que pediu anonimato. 

Em nota, a BHTrans informou que a colocação das lonas foi uma medida "emergencial" durante o plantão do revéllion. "A providência foi estabelecida de maneira emergencial para viabilizar a operação do sistema e garantir o acesso, conforto e segurança dos usuários", diz o texto. A Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) foi acionada pela BHTrans e informou que já fez contato com a empresa responsável para providenciar os reparos. 

PORTAS COM DEFEITO Em 19 de dezembro, por meio de um aditivo ao contrato de concessão do transporte público na capital, a BHTrans transferiu ao Setra/BH a responsabilidade pela manutenção das portas das estações. O sindicato informou ontem que começou ontem a colocar as portas com defeito para funcionar, começando pela Estação São Paulo da Avenida Santos Dumont, no Centro. No mês passado, o Estado de Minas entrou em 59 cabines de 36 estações do Move municipal e contabilizou 456 portas, das quais 285 estavam abertas o tempo todo e quatro fechadas sempre. Apenas 167 estavam funcionando da maneira correta, sincronizando com os ônibus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário